Estratégia de Transformação Digital: o guia completo

Estratégia de Transformação Digital

A estratégia de transformação digital descreve as formas em que as empresas estão se adaptando para atender aos requisitos da era digital de hoje, pois estamos enfrentando mudanças profundas e de longo alcance na forma como a tecnologia digital é criada, gerenciada, analisada e consumida.

A transformação digital começou quando as empresas perceberam que seus modelos de negócios tradicionais não eram suficientes para gerar valor para os stakeholders, para oferecer inovação ágil aos seus clientes, aumentar sua participação no mercado e lucro, permanecer relevante para o ecossistema e manter a força de trabalho comprometida.

A capacidade de reimaginar digitalmente o negócio é determinada em grande parte por uma estratégia digital clara apoiada por líderes que promovem uma cultura capaz de mudar e inventar o novo.

Embora essas informações sejam consistentes com as evoluções tecnológicas anteriores, o que é exclusivo da transformação digital é que a tomada de riscos está se tornando uma norma cultural à medida que mais empresas digitalmente avançadas buscam novos níveis de competitividade.

Igualmente importante, os funcionários em todas as faixas etárias querem trabalhar para empresas que estão profundamente comprometidas com o progresso digital. Os líderes da empresa precisam ter isso em mente para atrair e reter os melhores talentos.

Como conduzir a estratégia de transformação digital?

As empresas estão em uma conjuntura crítica de inserção e adaptação de tecnologia para satisfazer as demandas atuais. Em todos os setores, as empresas se arriscam ou tendem a ficar obsoletas.

Uma das principais mudanças na resposta a tais demandas é a criação e entrega de serviços digitais: como aplicativos móveis que são intuitivos e inteligentes, trazendo informações contextuais para as pessoas com base em quem são, onde estão e o que estão fazendo.

Eles fornecem serviços automatizados de autoatendimento, colaboração e são continuamente refinados em alta velocidade.

Com novas demandas em negócios e a necessidade de velocidade de entrega sem sacrificar qualidade e segurança, as velhas formas de gerenciar a tecnologia estão ficando para trás.

É necessária uma nova abordagem, que seja em tempo real, intuitiva, automatizada, segura e aberta.

Para manterem-se competitivas, as empresas tradicionais devem transformar-se em empresas digitais para atender às mudanças das necessidades de seus clientes, funcionários e parceiros.

As pessoas, muitas vezes, pensam que a inovação emana de repentinos flashes de brilhantismo por parte de alguns talentosos. Na realidade, muitas ideias novas surgem por meio de esforços colaborativos entre pessoas de diferentes origens.

O conforto com riscos e a criação de estilos de trabalho colaborativos são os principais impulsionadores da inovação. Como resultado, as organizações que amadurecem digitalmente se destacam também.

Tecnologia da Informação na transformação de negócios digitais

A proliferação de tecnologia significa que há mais complexidade para gerenciar e o elevado papel da tecnologia nas empresas significa que o impacto e o resultado dos serviços prestados pela TI nunca foram mais visíveis ou mais valorizados.

Os dispositivos móveis e os aplicativos que eles executam estão alimentando novas expectativas dos funcionários. A infraestrutura e a maquinaria de negócios, tradicionalmente não consideradas tecnologias de informação, estão se tornando mais inteligentes, habilitadas em rede e parte de uma Internet das Coisas sempre em expansão.

Como resultado, as prioridades em TI estão mudando e um equilíbrio entre novos métodos e abordagens tradicionais precisa ser alcançado para gerenciar a grande escala do desafio da transformação digital.

Tecnologias como inteligência artificial, realidade virtual e realidade aumentada, computação em nuvem e internet das coisas podem usar para servir melhor seus clientes e seus próprios objetivos de negócios.

Como vencer barreiras para implantar uma estratégia de transformação digital

Para a maior parte, tem havido várias boas razões para evitar a transformação digital. Por exemplo, existem preocupações legítimas em relação à segurança, conformidade, custo e escala ao implementar qualquer nova tecnologia.

A maioria das empresas tem a base para implementar novas tecnologias, o bloqueio real vem com a criação de formas criativas de resolução de problemas.

A nova tecnologia convida a interrupção e a interrupção não pode caber em formas de pensamento concretas, estabelecidas e operacionais. As empresas precisam adotar formas rápidas e inovadoras para gerar e implementar a tecnologia certa.

Como uma abordagem de transformação digital é aquela que requer um pensamento rápido e intuitivo, sua estratégia precisará atender mais do que hardware e software.

As abordagens incluem os objetivos de negócios, as limitações orçamentárias da empresa e, às vezes, podem inclusive incluir a contratação. À medida que a tecnologia avança nos negócios tradicionais, também aumenta a complexidade de se manter competitivo.

As empresas estão agora focadas em impulsionar o crescimento da receita, melhorar a experiência do cliente, aumentar a produtividade e gerir riscos, em vez de apenas um ou dois objetivos principais.

E isso só vai se tornar mais complexo nos próximos anos à medida que a tecnologia continue a avançar, mas esses mesmos avanços provavelmente também trarão novas soluções empresariais.

Algumas das maiores tendências tecnológicas serão o aprendizado automático avançado, a realidade aumentada e aplicativos inteligentes.

É hora de novos pensamentos para gerenciar a complexidade e reimaginar tudo — processos para oferecer produtos e serviços inovadores, gerenciar ativos, gerenciar riscos em tempo real e otimizar a rentabilidade em um nível transacional.

Pode ser esmagador para as empresas enfrentar a transformação digital, e por isso é preciso planejar a transformação digital com uma metodologia correta.

Criando uma estratégia de transformação digital

A TI é fundamental para o sucesso de um programa efetivo de transformação digital. Com tanta dependência de tecnologia para o futuro sucesso do negócio, a TI se encontra na posição de precisar de excelência em todas as dimensões.

Os serviços inovadores que dão ao negócio uma vantagem no mercado também precisam ser sólidos, econômicos e seguros. Eles também devem ser simples de auditoria, fornecer informações comerciais e melhorar continuamente para atingir os objetivos comerciais.

Para muitos, isso introduz uma tensão entre a necessidade de transformar o negócio pela inovação e ter uma plataforma operacional efetiva. É necessário definir uma base para a transformação digital que permita à TI gerenciar as complexidades atuais e futuras que a transformação digital apresenta.

Confira agora algumas dicas para criar uma estratégia de transformação digital:

Inclua estratégia de TI nos planos de longo prazo

O planejamento estratégico de TI deve estar firmemente enraizado no plano estratégico de negócios quando houver longo período.

Se a estratégia de negócios é investir na transformação digital, por exemplo, a TI deve extrapolar o que isso significa para a arquitetura existente, processos operacionais, habilidades, sourcing, governança e cultura.

O melhor plano de TI não é simplesmente um resumo do investimento financeiro necessário ou uma lista de tecnologias para implementar. Em vez disso, é uma avaliação das mudanças exigidas para atingir os objetivos comerciais.

Implante uma arquitetura corporativa

A arquitetura corporativa pode desempenhar um papel central na redução da complexidade associada às transformações digitais.

A maioria das empresas possui um grupo dedicado embutido na maior organização de TI. Este grupo normalmente supervisiona toda a arquitetura de sistemas, incluindo processos de negócios e infraestrutura de TI.

Isso ajuda a estabelecer regras e processos em torno do uso da tecnologia para garantir a consistência entre as unidades de negócios e as funções.

Como tal, este grupo pode ajudar o CEO e outros na equipe de liderança a redesenhar as arquiteturas de TI de suas empresas para que possam evitar algumas armadilhas e competir de forma mais eficaz em uma era digital.

Crie planos de gerenciamento de mudanças

A cultura e a organização da empresa tendem a atrasar o processo e a tecnologia quando se trata de prontidão digital. Para que a transformação digital seja bem-sucedida, você precisa tornar a mudança cultural e os aspectos educacionais da transformação um ponto alto de seu plano.

A empresa precisa de um plano de gerenciamento que deve ser suportado e habilitado para TI. Em outras palavras, a empresa precisa de uma visão clara para o estado final para que todos se movam na mesma direção durante o processo.

Reveja os processos de negócios

Às vezes, é preciso orientar seus clientes, internos ou externos, para mudar suas expectativas. No passado, a maioria das fábricas tinha listas extensas de processos que faziam funcionar cada planta com experiência personalizada. Mas muitos desses processos não foram realmente respaldados pelas melhores práticas.

Em muitos casos, eles estavam lá simplesmente porque era assim que sempre foi feito, ou mesmo por razões que podem não ser mais aplicáveis. Mas esses processos podem criar gargalos na concepção e manutenção de tais ambientes.

Estabeleça requisitos de gerenciamento de risco

É fundamental que os CIOs e os líderes de projetos desenvolvam sua abordagem de gerenciamento de risco para uma era digital. É impossível conhecer as especificidades de como ou quando um risco desconhecido se tornará realidade ou qual será seu impacto, mas podemos prever alguns fatores que levam a novos riscos.

Múltiplos pequenos pontos de falha podem entrar em cascata em riscos comerciais mais sérios. Os projetos digitais conectam mais e mais coisas juntas, muitas das quais não estão no controle direto dos líderes do projeto.

Essa tendência agrega complexidade e interdependência aos sistemas organizacionais, às vezes de forma exponencial. O atual ambiente de “necessidade de velocidade” do negócio digital desencoraja a redundância.

Portanto, os potenciais pontos de falha proliferam e a fragilidade aumenta, por isso a importância de definição de critérios para o gerenciamento de risco.

Avalie a estrutura escalável

A fase de escala é toda sobre a aplicação de uma maior automação, a fim de realizar a eficiência necessária para entregar e gerenciar centenas de aplicativos para se tornar uma empresa digital.

Isso inclui, entre outras coisas, a automação de implantação e manutenção para suportar um grande portfólio, automatizando a garantia de qualidade para monitorar proativamente seus projetos e permitir uma maior reutilização ao estabelecer uma loja de aplicativos privada.

Com essas capacidades, você pode maximizar o valor e a produtividade criando recursos de inovação distribuídos em toda a empresa, com várias equipes desenvolvendo simultaneamente.

Procure por inovação disruptiva, não incremental

A inovação disruptiva explora novas tecnologias e, como tal, caracteriza-se por um alto nível de risco e incerteza. Ironicamente, a inovação disruptiva muitas vezes depende de melhorias incrementais, modificações de refinamentos em tecnologias complementares.

Devido ao alto fator de risco, pequenas empresas ou startups geralmente desempenham papéis importantes na inovação disruptiva.

Do lado positivo, às vezes a empresa não precisa competir por participação de mercado com inovação disruptiva, em vez disso, se afasta e cria seu próprio mercado. E o eventual pay-off geralmente pode ser espetacular — muito maior do que com a inovação incremental. O exemplo do Uber é um excelente caso de inovação disruptiva.

Procure MVPs para novos produtos e serviços

A mentalidade de startup de inovação era algo em que Steve Jobs acreditava. Quando o fundador da Apple lançou o primeiro iPhone em 2007, ele ainda usava apenas o padrão de transmissão do Sistema Global para o Mobile (GSM) lento, embora seus rivais estivessem usando o Serviço Universal de Telecomunicações Móveis mais rápido (UMTS).

O início do iPhone nem sequer recebeu sinais GPS para navegação por satélite. Os nativos digitais referem-se a ele como o produto mínimo viável (MVP), um produto que oferece apenas o menor número possível de características essenciais.

Para que o produto seja um sucesso, ele precisa abordar um ponto de dor, um lugar no mercado onde os clientes enfrentam problemas. Com o seu design de tela sensível ao toque, a Apple deslocou as almofadas e os teclados numéricos e atingiu um desses pontos de dor.

Com a interface aberta da Apple, uma rápida gama crescente de aplicativos logo seguiu, que poderia ser baixado para o dispositivo, aumentando assim o recurso do iPhone. Os clientes fizeram o resto: os engenheiros da Apple alimentaram reações e comentários de clientes de volta ao desenvolvimento praticamente em tempo real, e em pouco tempo eles tinham o smartphone mais popular do mundo.

Repense o modelo de negócio

O foco dos projetos era a tecnologia e não o lado da inovação do cliente ou o modelo de negócios. De alguma forma, parece que os gerentes do projeto ficaram felizes em ter instalado a nova tecnologia sofisticada, mas esqueceram do lado empresarial da inovação.

Sua identidade está muito relacionada ao seu modelo de negócio dominante conforme a empresa é executada. A parte difícil é a empresa questionar o local em que se encontra e como quer estar no futuro devido à nova tecnologia. Sua identidade está muito relacionada ao seu sucesso atual como operador histórico dominante baseado em um modelo comercial dominante.

Garantindo uma transformação bem-sucedida

As startups digitais têm a vantagem de serem capazes de reinventar empresas e indústrias, abordando as necessidades dos consumidores de maneiras completamente novas. Basta ver o que o Uber está fazendo no negócio de transporte e o que a Airbnb está fazendo no ramo de viagem.

Para competir, os operadores tradicionais precisam criar seus próprios negócios de “invasores digitais” que podem permitir que eles sejam mais perturbadores em sua própria abordagem. Os titulares podem desenvolver vantagens estratégicas, alavancando os pontos fortes existentes — reconhecimento de marca, relacionamentos de clientes existentes e produtos e serviços de nicho.

A chave é fazê-lo rapidamente. A velocidade digital é até cinco vezes mais rápida do que os negócios tradicionais, e essa velocidade é essencial para se tornar um líder no mercado.

Digitalize seu negócio principal

Não se trata apenas de lançar novos projetos de TI, trata-se de fundamentalmente transformar o negócio para torná-lo mais enxuto, mais ágil e mais rentável.

É importante analisar os esforços digitais que podem produzir as maiores mudanças de desempenho e valor para os clientes — não só no marketing, mas também nas operações e no back office.

As empresas que conseguem enfrentar muitos esforços em paralelo, utilizando processos padronizados e técnicas ágeis para acelerar a execução, proporcionam mais flexibilidade na estratégia.

Crie valor a partir de dados

Os líderes devem procurar maneiras de usar melhor os dados internos e externos — especialmente dados importantes. As empresas que usam grandes dados de forma eficaz tendem a gerar maiores receitas e criar ideias e recursos de projetos mais inovadores.

No processo, eles criam fluxos de receita inteiramente novos, unidades de negócios e negócios autônomos.

Posicione o negócio no ecossistema mais amplo

Os ecossistemas são cada vez mais importantes na economia digital. Eles estão se tornando essenciais para criar novos relacionamentos e capacidades, alavancando as novas tecnologias e acelerando a inovação.

Ao colaborar em todo o ecossistema de parceiros e instituições, as empresas podem criar novas oportunidades para atender às necessidades dos consumidores.

As plataformas digitais que permitem que dispositivos, aplicativos, dados, produtos e serviços funcionem em novas formas, tornam-se uma parte fundamental da estratégia global de negócios.

Como a maturidade das empresas influencia na estratégia

O poder de uma estratégia de transformação digital está em seu escopo e objetivos. Menos empresas digitais tendem a se concentrar em tecnologias individuais e têm estratégias operacionais em foco.

As estratégias digitais nas empresas mais maduras são elaboradas com o objetivo de transformar o negócio. A maturidade nas organizações digitais significa criar habilidades para realizar a estratégia.

As organizações digitais são quatro vezes mais propensas a fornecer aos funcionários as habilidades necessárias do que as organizações nas extremidades inferiores do espectro.

A capacidade de conceituar como as tecnologias digitais podem afetar o negócio é uma habilidade que falta em muitas empresas nos estágios iniciais da maturidade digital.

Assim também, os funcionários querem trabalhar para líderes digitais e a grande maioria quer trabalhar para organizações habilitadas digitalmente.

Os funcionários estarão atentos às melhores oportunidades digitais, e as empresas terão que continuar constantemente seu jogo digital para reter e atraí-los.

Além disso, os funcionários das organizações que amadurecem digitalmente são altamente confiantes na fluidez digital dos líderes. A fluidez digital, no entanto, não exige o domínio das tecnologias.

Em vez disso, requer a capacidade de articular o valor das tecnologias digitais para o futuro da organização.

No mesmo sentido, assumir riscos torna-se uma norma cultural. As organizações que amadurecem digitalmente são mais confortáveis ​​assumindo riscos do que seus pares menos maduros digitalmente.

Para tornar suas organizações menos propensas ao risco, os gestores devem aprender com o fracasso como pré-requisito para o sucesso.

Eles também devem abordar a probabilidade dos funcionários serem tão avessos ao risco quanto seus gerentes e precisarem de suporte para tornarem-se mais ousados.

Cases de Sucesso

As principais marcas continuam buscando inovações digitais e estão perturbando as indústrias estabelecidas no processo. Confira algumas:

Amazon

Amazon começou no comércio eletrônico, mas agora está entrando no negócio de supermercado de varejo com um processo de verificação totalmente digital.

Movimentos como esse levaram as empresas de todos os tamanhos a se concentrarem na transformação digital — aceleração de atividades, processos e competências para aproveitar plenamente as tecnologias digitais.

General Electric

A General Electric (GE) conseguiu dar um salto digital, em parte porque olhou para fora de sua própria indústria para obter inspiração e percepção. Em vez de apenas assistir seus concorrentes diretos, a empresa estudou empresas inovadoras em indústrias, como a tecnologia.

Contratou pessoas de fora da indústria, incluindo Bill Ruh, que teve experiência em desenvolver soluções avançadas da Cisco. A GE também se associou a vários laboratórios de incubação para ganhar experiência trabalhando com startups.

Ao expandir seu ponto de vista, a GE pôde lançar a plataforma Predix, uma plataforma da Internet das Coisas que permite que as máquinas industriais sejam monitoradas e otimizadas digitalmente.

Saudi Telecom Company

A Saudi Telecom Company (STC), uma empresa de telecomunicações de US$12 bilhões, percebeu a alteração em seu público-alvo e visualizou a necessidade de lançar novas iniciativas digitais.

Em vez de elaborar uma estratégia digital genérica, a STC contratou uma equipe de pesquisadores para estudar os hábitos e estilos de vida dos consumidores no país.

Especificamente, a empresa estava interessada em entender os pontos de dor dos jovens consumidores para definir sua estratégia.

O resultado foi uma unidade de negócios que atingiu com sucesso as demandas e ofereceu novas formas de gerenciar planos móveis e funções de suporte.

Perspectivas futuras

Os líderes da chamada “economia compartilhada“, como os já citados Uber e Airbnb, estão reescrevendo a economia de suas indústrias. Outras interrupções estão esperando nas asas.

O ônus é que os líderes se mantenham à frente da curva para os modelos de negócios em desenvolvimento de suas indústrias.

Qualquer que seja o estado final da transformação digital, o alcance não é simplesmente sobre tecnologia. Para posicionar suas organizações para avançar em um futuro transformado digitalmente, os líderes empresariais devem se perguntar “Nossa organização possui uma estratégia digital que vá além de implementar tecnologias?”.

As estratégias digitais nas organizações em viragem ultrapassam as próprias tecnologias. Eles visam melhorias na inovação, na tomada de decisões e, em última análise, na transformação do funcionamento da empresa.

Muitas organizações terão que mudar suas mentalidades culturais para aumentar a colaboração e encorajar a tomada de riscos. É necessário que estejam sempre prontas para novas adaptações. Os líderes empresariais também devem abordar se diferentes tecnologias ou abordagens digitais podem ajudar a provocar essa mudança.

Eles também devem entender quais aspectos da cultura atual poderiam estimular um maior progresso da transformação digital.

Embora os líderes não precisem ser assistentes de tecnologia, eles devem entender o que pode ser realizado na interseção de negócios e tecnologia. Eles também devem estar preparados para liderar o caminho na conceitualização de como a tecnologia pode transformar o negócio.

Dirigir-se a essas questões pode fortalecer a capacidade de uma organização manter o ritmo das tecnologias digitais à medida que transformam negócios e sociedade. A mudança será rápida e intensa, e a estrada em frente é provavelmente longa.

Gostou do post? Então compartilhe nas suas redes sociais para ajudar empresas a se reinventarem na nova era da transformação digital.

Head of Content no TD - TransformacaoDigital.com