Seu lugar no futuro do trabalho: guia completo sobre Soft Skills

Entenda o que sãp soft skills, como desenvolvê-las e qual sua importância na era da Transformação Digital

Com a transformação digital pela qual o mundo dos negócios está passando, e a fim de conseguir as melhores vagas disponíveis, os profissionais do futuro precisam apresentar ou desenvolver as chamadas soft skills.

Nessa nova realidade das relações entre empresas e colaboradores, serão levadas em conta habilidades que até bem pouco tempo atrás não eram tão valorizadas, o que exige que os profissionais se adaptem da melhor maneira possível. Além disso, podemos esperar o surgimento de novas carreiras, e o nomadismo digital será cada vez mais comum.

Mas, caso ainda não conheça quais serão as habilidades mais desejadas pelo mercado nesse futuro próximo, criamos este guia completo para ajudar você a entender melhor cada uma delas. Confira!

O que são soft skills?

Para uma melhor compreensão, podemos começar adaptando o termo do inglês como habilidades comportamentais. Essas competências têm sido cada vez mais buscadas pelos times de RH nos candidatos entrevistados.

Em linhas gerais, as soft skills não são habilidades técnicas, mas sim atributos pessoais, que ajudam os profissionais a lidar com as situações presentes em seu dia a dia e a aprimorar suas interações com o restante da equipe em que estão inseridos.

Um time necessita de diversas peças que trabalhem bem em conjunto. Assim sendo, hoje em dia, os recrutadores já estão percebendo que as soft skills têm tanto peso na hora de uma contratação quanto os conhecimentos técnicos.

Embora essas competências não estejam explícitas na descrição de uma chamada de recrutamento, por exemplo, pois ainda são difíceis de avaliar, sua presença conta positivamente para o candidato, que pode ser indicado como um talento a ser retido.

Por serem habilidades subjetivas, existe uma grande dificuldade em mensurar sua existência durante uma entrevista de emprego ou análise de colaborador. Entre alguns dos exemplos mais comuns de soft skills, podemos destacar:

  • saber se comunicar de forma clara e articulada;
  • possuir postura e falar bem em público;
  • desenvolver um bom trabalho em equipe;
  • ter persuasão, carisma, objetividade e liderança;
  • compartilhar seus conhecimentos de forma natural;
  • saber incentivar os outros colaboradores;
  • auxiliar o restante da equipe quando existir dificuldades;
  • adaptar-se facilmente a mudanças;
  • ser criativo e manter uma atitude positiva;
  • saber trabalhar sob pressão sem se desestabilizar.

Essas são algumas habilidades desejáveis em um profissional do futuro, porém são extremamente pessoais. Elas podem ser melhoradas e desenvolvidas, no entanto exigem muita força de vontade e esforço por parte do profissional.

Quais são as principais diferenças entre hard skills e soft skills?

As hard skills, ou competências técnicas, são muito mais fáceis de achar e quantificar do que as soft skills. Isso acontece na medida em que elas são objetivas, e é possível adquiri-las por meio de treinamentos específicos.

No geral, são buscadas para que se possa preencher os requisitos de um determinado cargo ou profissão. O conjunto de hard skills de um profissional é formado pelos seus conhecimentos, algo adquirido e relativamente fácil de ser mensurado.

Entre alguns exemplos dessas habilidades, podemos citar:

  • domínio de mais de um idioma;
  • graduação, pós-graduação, mestrado e doutorado;
  • conhecimento acerca de sistemas e softwares específicos;
  • desenvolvimento de metodologias;
  • gerenciamento de projetos.

São características exigidas para um determinado cargo a que se almeja chegar. Podem ser desenvolvidas de forma simples, por meio de cursos e treinamentos, e, não raramente, certificados são o suficiente para provar os conhecimentos do profissional.

As hard skills afetam diretamente o resultado de um colaborador em relação ao desenvolvimento de seu trabalho, já as soft skills estão ligadas à personalidade do profissional, e seu impacto se dá sobre as relações entre os membros de um time, o que, consequentemente, influencia sua produtividade.

Mesmo que a demanda por habilidades técnicas para a maioria dos cargos exista e seja de grande importância, atualmente e no futuro, os recrutadores buscarão de forma mais enfática por soft skills.

Isso porque, mesmo que necessárias, as habilidades técnicas podem ser ensinadas ao colaborador por meio de treinamentos, já sua personalidade e seu comportamento são muito mais difíceis de serem alterados.

Com isso, as empresas estão entendendo que é necessário garantir primeiro a presença das soft skills em um candidato para depois avaliar suas competências técnicas.

Quais são as habilidades mais procuradas e os benefícios de cada uma?

Como mencionamos, as soft skills são competências bem subjetivas e, por isso, mais difíceis de serem identificadas e avaliadas. No entanto, é possível saber quais são elas. A seguir, listamos algumas das habilidades mais desejadas e os seus benefícios dentro de uma empresa:

Atitude

O colaborador deve sempre tomar atitudes com relação às situações do dia a dia, sem conformismo ou esperar que alguém lhe diga o que deve ser feito ou quando agir.

É necessário sempre estar à frente dos problemas e tomar uma posição preventiva em vez de reativa. Proatividade é a palavra que define um profissional de atitude. Isso garante que a equipe formada seja autogerenciada, sem a necessidade de supervisão direta.

Comunicação

Saber se comunicar de forma clara e objetiva é essencial para um profissional, e não apenas nos setores de vendas e de marketing. Ademais, essa é uma das soft skills mais fácil de ser avaliada durante uma entrevista com um candidato.

Comunicação é indispensável nas novas relações de trabalho, sendo necessária, por exemplo, para que problemas possam ser identificados e a passagem de conhecimento seja feita de maneira eficiente entre todos os membros de um time.

Resolução de conflitos

Qualquer local que conte com mais de uma pessoa está sujeito a conflito. Cada colaborador tem uma maneira de pensar, assim sendo é inevitável que, uma vez ou outra, isso acabe gerando algum tipo de problema. Profissionais com habilidades de resolução de conflitos são muito desejados, pois sabem lidar com esse tipo de situação, resolvendo as desavenças sempre da melhor forma para todas as partes envolvidas.

Criatividade

Em plena transformação digital, não são só as relações de trabalho que estão mudando; o mundo dos negócios também está em plena evolução. Com isso, todos os dias surgem novos obstáculos. Profissionais que possuam um pensamento criativo encontram maneiras objetivas e bem elaboradas para lidar com os desafios que surgem nos novos modelos de negócio.

Pensamento crítico

Nem tudo é o que parece, e com a quantidade de informações gerada todos os dias, pelos mais diversos canais dentro de uma empresa, é preciso saber o que deve ser feito com tantas referências. Um colaborador detentor de um pensamento crítico sabe organizar os dados que recebe de forma mais eficiente e refletir acerca do que significam e sobre o que é necessário fazer com eles, frequentemente encontrando insights estratégicos.

Tomada de decisão

O profissional do futuro tem de ser capaz de tomar suas próprias decisões, de acordo com os interesses da empresa e visando sempre aos melhores resultados possíveis. Com isso, não há necessidade de uma supervisão o tempo todo sobre o colaborador, que pode adquirir certa autonomia para realizar suas tarefas do dia a dia.

Empatia

Solidarizar-se pela situação do outro e entender quais são as suas aflições é chamado de empatia, ou seja, é colocar-se no lugar do próximo, seja ele colega ou cliente. Essa também é uma das habilidades buscadas no profissional do futuro.

Essa soft skill garante que o colaborador sempre pensará em ajudar os colegas que estejam com alguma dificuldade, aumentando assim o entrosamento entre a equipe e, consequentemente, sua produtividade.

Ética

A ética é o conhecimento e o respeito pelas regras morais. Em um tempo em que testemunhamos alguns escândalos de corrupção em nosso país, essa habilidade tem ganhado destaque. Basicamente, ela garante que o profissional não tomará nenhum tipo de atitude que possa prejudicar a empresa e que manterá respeito por todas as regras de convivência e princípios morais da sociedade.

Flexibilidade

A flexibilidade trata, principalmente, de adaptar-se às mudanças que possam ocorrer no ambiente de trabalho, aceitando essas alterações da melhor maneira possível. Caso entre em conflito com outro colaborador, por exemplo, um profissional flexível não discute, mas sim busca demonstrar o seu ponto de vista. Sendo voto vencido, aceita a decisão e se adapta às novas regras.

Liderança

Um líder é alguém que motiva a equipe por meio do exemplo. Liderança é uma das soft skills mais desejadas pelos recrutadores na hora de uma entrevista com os candidatos.

E não apenas um gestor pode demonstrar as características de liderança; qualquer pessoa dentro de um time pode chamar naturalmente a responsabilidade para si. Com isso, atividades de gestão podem ser delegadas e a distribuição de tarefas dentro da equipe, otimizada.

Motivação

Estar motivado é manter uma atitude positiva diante de qualquer problema, sempre em busca da melhor forma possível de se chegar em uma solução e sem se deixar abater por respostas negativas.

Profissionais motivados são capazes de manter um desempenho muito melhor e ainda podem contribuir para motivar o restante do time. Não por acaso, essa é outra das soft skills mais procuradas em um colaborador.

Rede de contatos

Realizar e manter networking acontece de forma natural para algumas pessoas. Em qualquer tipo de evento, sempre existem aqueles profissionais que conseguem manter um contato com diversos outros de forma simples e direta.

Um colaborador que conta com uma grande rede de contatos é mais comunicativo e tem maior capacidade de lidar com problemas, recorrendo aos seus conhecidos em busca de auxílio sempre que necessário.

Paciência

Paciência é uma virtude e também uma soft skill muito desejada no mercado corporativo. Profissionais pacientes lidam melhor com os desafios, podendo ter a calma necessária durante uma crise e enxergar a melhor saída possível, sem que acabe tomando alguma decisão errada em um momento de instabilidade.

Persuasão

A persuasão é a habilidade de induzir uma ideia por meio de argumentos convincentes, capazes de fazer com que a pessoa que está sendo persuadida mude seu conceito sobre o assunto tratado. Um profissional apto a vender sua visão sobre qualquer que seja a questão tem grande valor dentro das empresas, na medida em que é capaz de demonstrar por que pensa de determinada forma e é coerente em seu posicionamento.

Positividade

O pensamento positivo tem muito poder. Isso porque ele é capaz de motivar todo um time. Por conta disso, a positividade é outra soft skill muito valorizada por recrutadores e gestores. Profissionais que mantêm um pensamento positivo não se deixam abater por qualquer situação adversa e estão sempre tentando entusiasmar o restante da equipe para que ninguém desanime.

Resolução de problemas

As relações entre colaboradores e gestores estão cada vez mais afinadas e, com o tempo, espera-se que a distância entre um e outro reduza ainda mais. Por conta disso, busca-se por profissionais que possam manter um nível de autonomia.

A resolução de problemas é uma das habilidades necessárias para alcançar essa liberdade em relação à dependência das decisões dos gestores. É preciso que o profissional possa saber lidar sozinho com os desafios.

Trabalho em equipe

Estar em uma equipe não é a mesma coisa que trabalhar em equipe. É preciso que o colaborador tenha consciência dessa diferença. Essa talvez seja a principal soft skill para o futuro.

Para que tudo possa funcionar como uma engrenagem, é necessário que o profissional saiba se comunicar com o restante da equipe, mantendo todos informados acerca de suas tarefas e buscando informações sobre as dos outros colaboradores.

Gestão do tempo

Com equipes cada vez mais autônomas, responsáveis por sua própria gestão, também é preciso que os colaboradores saibam administrar seu próprio tempo em relação às suas tarefas. Isso minimiza as responsabilidades do gestor, que pode focar seus esforços em outras atividades-chave do negócio, como traçar as estratégias da empresa para o futuro e analisar resultados.

Qual a relação das soft skills com o futuro do trabalho e a automação?

As novas tecnologias — como Inteligência ArtificialBig Data, robôs inteligentes, entre outras — estão realizando uma transformação digital nas relações de trabalho, fazendo com que os trabalhadores busquem desenvolver as soft skills, as quais são muito mais necessárias nessa nova realidade.

Um dos fatores que mais impactará o futuro do trabalho é a automação. Na realidade demonstrada pela indústria 4.0, softwares e robôs farão boa parte do trabalho, sendo que os colaboradores deverão migrar para posições de administração e de gestão do conhecimento.

Nesses novos modelos de trabalho, os profissionais devem atuar em cargos estratégicos, com ampla mobilidade, nos quais as soft skills (habilidades comportamentais) serão tão ou mais relevantes e necessárias quanto as chamadas hard skills (conhecimentos técnicos).

Essas novas competências não podem ser obtidas por meio de treinamentos simples, o que faz com que elas sejam ainda mais valorizadas no mercado de trabalho, pois são características únicas do colaborador.

As organizações já não têm tanto interesse nas hard skills, uma vez que elas podem ser obtidas por meio de treinamento. O novo foco das empresas é na busca pelas soft skills. Nesse sentido, é necessário que o profissional busque desenvolvê-las para manter-se ativo no mercado e encontrar uma recolocação no futuro.

Em 2017, um relatório expedido pela Capgemini demonstrou que 60% das organizações sofrem com a falta de soft skills em seus colaboradores. Entre as principais deficiências estão:

  • empatia — colocar-se no lugar do outro, 65%;
  • aprendizado — interesse em absorver conhecimento, 64%;
  • colaboração — trabalhar em equipe, 63%;
  • tomada de decisão — autonomia para realizar escolhas, 62%;
  • habilidade organizacional — gerir seu próprio tempo, 61%
  • lidar com ambiguidade — resolução de problemas, 56%;
  • mentalidade empreendedora — levar em consideração os interesses da empresa, 54%;
  • capacidade de gerar mudanças — persuasão, 53%.

Quais são as soft skills mais requisitadas no mercado a partir de 2018?

Dentro do cenário de transformação digital, podemos destacar algumas habilidades comportamentais que podem ser mais desejáveis que outras por parte dos recrutadores. Existem soft skills que você pode desenvolver para estar preparado para essas exigências. Abaixo, confira quais são elas!

Contato direto

Manter a confiança é sempre imprescindível para expressar que você tem domínio sobre o assunto que está sendo tratado e absoluta certeza do seu ponto de vista. Para tanto, é preciso manter um contato direto durante uma conversa. Mesmo que sejamos instruídos a fazer isso desde criança, durante a adolescência podemos acabar perdendo esse costume. Então, é preciso retomar essa prática.

Comunicação clara

As novas tecnologias transformaram o mundo em um lugar rápido, que não para nenhum minuto. Para que você possa sentar e ter uma conversa longa, é preciso ser direto. Isso faz com que todos prestem atenção ao que você quer falar e evita que alguém acaba se perdendo em pensamentos e não escute suas ideias. Portanto, fale sempre de forma clara e objetiva.

Eficiência

Não há tempo a perder. Por conta disso, antes de apresentar uma ideia, busque entender todos os pontos acerca dela e verifique se ela é realmente eficaz para resolver o problema a que se propõe. Estudar todos os questionamentos possíveis sobre uma proposta melhora a capacidade de conseguir a aprovação dentro do time, mostrando que você está pronto para lidar com qualquer adversidade.

Como desenvolvê-las no âmbito pessoal?

Como dito, desenvolver soft skills é muito mais difícil do que aprimorar habilidades técnicas. Por mais que possam existir cursos que prometem auxiliar na construção dessas características, o alcance do sucesso é algo muito pessoal. Porém, você pode tomar algumas atitudes para buscar desenvolvê-las. Veja quais a seguir!

Observe

Um dos primeiros passos para desenvolver habilidades emocionais é identificar quais são as soft skills que você está buscando. Aprender todas elas é uma meta ousada, mas pode-se começar com algumas.

Observe todas as suas atitudes durante o seu dia a dia e busque verificar o que deve mudar para alcançar o seu objetivo. É preciso praticar as mudanças diariamente para que você incorpore essas habilidades em seu jeito de ser.

Escute

Todos têm algo a falar, inclusive sobre as suas atitudes. Busque entender o que os outros pensam a seu respeito e o que eles acham que falta para você se tornar um profissional melhor. Saber ouvir os feedbacks do restante da equipe, bons e ruins, é essencial para começar a entender quais são as soft skills necessárias para que você possa aprimorar suas habilidades.

Como desenvolvê-las dentro de um time?

Assim como na esfera individual, criar habilidades emocionais em um time também é um grande desafio. É preciso que todos os profissionais estejam abertos para receber novos conhecimentos, pois, como falamos, as soft skills são algo bastante pessoal.

Porém, existem alguns métodos que podem auxiliar no treinamento de profissionais, visando desenvolver suas habilidades comportamentais. São eles:

Seminários

Muitas empresas investem em treinamentos para o desenvolvimento de hard skills, mas esquecem que as habilidades emocionais também devem ser estimuladas.

Uma maneira de iniciar essa proposta de trabalho é por meio da criação de pequenos seminários, que demonstrem a importância de desenvolver a inteligência comportamental.

Não raramente, é difícil convencer os profissionais de que eles precisam investir nessas habilidades. Por conta disso, uma abordagem por meio de seminários curtos pode ser uma boa opção para despertar essa percepção.

Feedback

Uma vez que já foi demonstrada a importância de desenvolver soft skills, é preciso repassar aos colaboradores em qual nível eles estão em relação a cada uma dessas habilidades desejadas.

O desenvolvimento de soft skills é mais lento do que de características técnicas, e cada profissional tem seu próprio tempo para uma mudança de hábito. Logo, é fundamental repassar periodicamente uma visão acerca do avanço de cada pessoa, para que ela continue motivada a mudar.

Exemplo

Claramente, não se espera que um gestor tenha todas as habilidades emocionais da lista apresentada nesse post, mas ele deve sempre dar o exemplo na busca pelo desenvolvimento delas.

Afinal, como os demais colaboradores podem buscar o crescimento pessoal se o gestor apenas incentiva a mudança sem seguir seus próprios conselhos? É necessário um engajamento de todo o time, inclusive dos diretores da empresa.

Exercícios

As habilidades emocionais são necessárias em qualquer ambiente, não apenas no trabalho. Uma das formas de desenvolvê-las pode ser levar a equipe para outro local.

Pode-se realizar, por exemplo, exercícios de cooperação diversificados, como um acampamento ou uma gincana. Essas atividades fazem com que haja um relacionamento diferente entre os membros do time, e todos tenham que trabalhar em conjunto.

E-learning

Mesmo que as soft skills não sejam desenvolvidas como as habilidades técnicas, é interessante fazer uso das plataformas de ensino virtual para incutir a importância da inteligência emocional no ambiente de trabalho.

Assim sendo, podem ser criados módulos de treinamento que apresentem as principais soft skills desejadas e metodologias para desenvolvê-las, auxiliando o profissional nessa busca.

Gostou do nosso guia sobre soft skills? Esperamos que sim. Contudo, se ainda tem dúvidas sobre o que esperar do futuro do trabalho e o que será preciso para garantir uma vaga nessa nova realidade, saiba como se qualificar durante a transformação digital!

Gerente de Operações no Portal Transformação Digital

Eduardo Wolkan é bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com ênfase em marketing e comportamento do consumidor. Entusiasta do meio digital e fascinado pela internet, fez do hobby sua profissão e hoje atua com projetos de transformação digital nas áreas de marketing e vendas.