Os impactos globais da Transformação Digital na economia

Transformação Digital na economia

A digitalização é a causa de transformações em larga escala e é abrangente em vários aspectos do negócio, fornecendo oportunidades incomparáveis ​​de criação e captura de valor, além de representar uma importante fonte de risco.

A sua indústria está passando por uma transformação digital significativa. Múltiplas organizações e indústrias inteiras estão sendo forçadas a reinventar a maneira como fazem negócios, à medida que novos concorrentes vêm, do campo esquerdo, para interromper o status quo.

A tecnologia digital e a Internet das Coisas (IoT) estão transformando o mundo dos negócios em uma taxa surpreendente. Isso está criando imensas oportunidades para as empresas que são rápidas em adotar inovações digitais, mas também está causando rupturas no setor e criando desafios para as companhias que apresentam uma reação mais lenta.

Os líderes empresariais que veem novos concorrentes entrarem em seus mercados tradicionais são levados a tornar suas empresas mais ágeis para responder.

A velocidade dos negócios continuará a aumentar à medida que os consumidores e as pessoas, em toda a sua demanda de ecossistema de negócios, respondem em tempo real, ou seja, como mais e mais empresas reinventam a maneira como fazem negócios, a velocidade e a eficiência da economia digital terão todo seu potencial.

Quase todos os avanços são cobrados como tais, e a lista de “próximas grandes coisas” cresce cada vez mais. Nem todas as tecnologias emergentes alteram o cenário comercial ou social, mas algumas realmente têm o potencial de interromper o status quo, alterar a forma como as pessoas vivem e trabalham e reorganizar as reservas de valor.

Portanto, é crítico que as empresas se reinventem no mundo dos negócios, pois as aquelas que não se ajustam à crescente economia correm o risco de se tornarem irrelevantes em sua indústria.

Desse modo, em todos os setores, os líderes estão lidando com as implicações estratégicas dessas transformações para suas organizações.

As implicações econômicas e sociais da digitalização são contestadas e aumentam o número de perguntas sérias sobre como a transformação digital está mudando a economia global.

Embora seja claro que a tecnologia digital transformará a maioria das indústrias, há uma série de desafios que precisam ser entendidos, como o ritmo de mudança das expectativas dos clientes, a transformação cultural, a regulamentação desatualizada, e a identificação e o acesso das habilidades certas.

Esses desafios precisam ser abordados pela indústria e pelos líderes do governo para possibilitar os benefícios substanciais que a empresa digital oferece à sociedade e à indústria.

Confira, a seguir, os impactos globais da Transformação Digital na economia!

Agora, toda empresa é uma empresa de tecnologia

Uma empresa verdadeiramente digital representa mais do que apenas usar novas tecnologias por sua causa. Em vez disso, o que realmente a distingue e garante sua vantagem competitiva é sua cultura, sua estratégia e o seu modo de operação.

As empresas se esforçam continuamente para permitir modelos operacionais novos e mais enxutos, sustentados por processos comerciais ágeis, plataformas conectadas, e capacidades de análise e colaboração que melhoram sua produtividade.

Uma empresa de tecnologia busca implacavelmente identificar e desenvolver novos modelos de negócios digitais, garantindo sempre que seus clientes e funcionários estejam no centro de tudo o que faz.

Os operadores que procuram tornar sua empresa tecnológica enfrentam dois desafios principais: primeiro, o modelo de negócios que serviu-os bem durante décadas foi interrompido pela inovação digital e não funciona como desejado; e segundo, as tentativas de criar um modelo de negócio novo e viável para a era digital somente terão sucesso no mercado se alguma companhia estiver disposta a arriscar com uma tecnologia disruptiva.

Desse modo, a tarefa é garantir que essa inovação — a tecnologia disruptiva que não faz ainda sentido — seja levada a sério dentro da empresa sem colocar em risco as necessidades dos clientes atuais que oferecem lucro e crescimento.

Novos modelos de negócio estão canibalizando empresas tradicionais

A maioria das organizações, hoje, sabe que deve adotar a inovação. A questão é se podem — ou não — colocar um modelo de negócios digital no mercado sem danificar tanto o negócio existente.

A canibalização ocorre quando a adoção de uma nova proposta, na forma de um produto, modelo de serviço ou de negócios, reduz o valor dos ativos existentes da empresa.

Os ativos podem ser na forma de tangíveis, como equipamento para criar um produto ou serviço, ou intangíveis, como o know-how da companhia.

A taxa de canibalização é geralmente medida em termos de perda de vendas ou de participação de mercado devido à adoção da nova proposta. Tais perdas são contabilizadas por mudanças na demanda primária de um novo produto ou proposição de serviço e por alterações entre as categorias.

Uma das barreiras à inovação do modelo de negócios vem do desafio de gerenciar esse processo de canibalização, quando as empresas se encontram incapazes de reconfigurar seus ativos para apoiar o novo modelo de negócios, em razão dos conflitos com o modelo comercial existente.

Assim, as companhias que passam de um modelo de negócio existente para um novo modelo precisam desenvolver uma estratégia para gerenciar esses conflitos.

Coordenar o processo de canibalização envolve o gerenciamento de mudanças e o processo estratégico de tomada de decisão até a implementação.

A decisão estratégica deve equilibrar as perspectivas concorrentes da racionalidade processual, em que a tomada de decisões reflete os melhores interesses da organização, e a política, por meio da qual os indivíduos tentam proteger seus próprios interesses e posições materiais.

O ex-CEO e atual Presidente do Conselho de Administração da Cisco, John Chambers, prevê que 40% das empresas irão se desfazer quando não conseguirem completar uma transformação digital bem-sucedida.

Essas empresas podem estar tentando acompanhar as companhias insurgentes que estão introduzindo tecnologias disruptivas, mas estão sendo retidas pela facilidade de fazer negócios da maneira que sempre têm feito — ou por sua veemência ou porque seus clientes se opõem a mudar.

A Amazon, desde o início, quando ainda atuava na venda de livros em papel, teve a coragem de canibalizar seus produtos e serviços. Isso aconteceu quando lançou o Kindle — leitor de e-Books — à custa das vendas de seus livros físicos.

Em 2010, o Kindle representou 62,8% de todos os leitores eletrônicos em todo o mundo. A Amazon é agora líder em promoção e vendas de conteúdo digital em um mercado de e-Book no valor de US$ 1,6 bilhão.

Ela também se interrompeu com o lançamento do Amazon Prime, que prejudicou suas vendas de DVD. Além disso, a Amazon fez outras apostas de longo prazo com o potencial de destruir-se ainda mais, como o Amazon Web Services, os Fire Smartphones e a Amazon Prime Air (vídeo abaixo).

O sucesso da Amazon é impulsionado, principalmente, pela liderança audaz do CEO e por uma cultura corporativa inovadora, definida por um grau relativamente alto de autonomia, de modo que o cliente é posicionado no centro.

Como startups dominaram o mercado e um panorama para elas no futuro

Tornar-se pioneiro de uma nova ideia na presença de gigantes da indústria pode ser uma perspectiva assustadora. Mas as startups bem-sucedidas, como a Airbnb e a Groupon, redefiniram setores inteiros.

Os líderes de startups têm o benefício de poder avaliar um problema sob uma nova perspectiva, criando sua própria solução e uma missão maior. Já os seus fundadores têm a capacidade de abrir novas soluções que outros, talvez, possam ignorar, ou desconsiderar, assim, eles são ágeis e podem ser mais receptivos.

Um negócio maior já apresenta um produto estabelecido e um público-alvo conectado. Há um sistema de departamentos e hierarquias construídas em torno disso, um portfólio de produtos e o interesse dos acionistas para enfrentar.

Tudo isso limita inovações para equipes de P&D, e o foco em mudança de negócios é muito mais difícil, enquanto as startups podem acelerar todos os novos projetos.

Assim, elas podem ser reconhecidas pela inovação, mas isso só funciona se seu produto for significativamente melhor do que o padrão da indústria. Isso, então, representa a necessidade de entender o mercado e a demanda, saber qual é a oferta atual e criar algo que adicione mais valor.

Obtendo feedback diretamente, usando testadores on-line e, até mesmo, soluções de crowdsourcing, as empresas podem melhorar constantemente seus produtos. É importante ficar conectado ao seu público e garantir que seu conceito se ajuste às suas necessidades e hábitos.

O caminho para o sucesso pode ser difícil para os novos negócios. No entanto, cada vez mais, estamos vendo as ideias mais fortes surgirem da cena inicial. As startups ágeis são, hoje, reconhecidas como concorrentes válidos contra os gigantes da indústria.

Além disso, as empresas maiores estão, cada vez mais, despertando o poder da inovação e aproveitando-se disso para seus próprios desenvolvimentos.

O Google criou sua própria incubadora interna de startups, ajudando os funcionários a lançar suas próprias iniciativas. Isso reflete uma nova tendência de aceleração, que ajuda as empresas maiores a criarem novos produtos fora das estruturas rígidas.

Nos últimos anos, as startups transformaram casas em hotéis, recrutaram motoristas pagos por aplicativos e geraram eletricidade como um combustível viável para automóveis novos.

As novas empresas bem-sucedidas podem desafiar as normas aceitas com novos conceitos e, assim, transformar indústrias inteiras.

Os avanços na ciência de dados, a tecnologia cognitiva e o poder de processamento, juntos, abrem a possibilidade de criação de empresas digitais, construídas em torno de máquinas e softwares inteligentes.

Ao transformar conjuntos de dados muito grandes ou complexos em dados inteligentes, as empresas podem alcançar níveis mais altos de eficiência operacional e inovação.

A economia digital criará, cada vez mais, uma maior demanda por máquinas e seres humanos para trabalharem juntos de forma eficaz. Os avanços em dispositivos portáteis, as interfaces naturais e as máquinas inteligentes estão abrindo novas oportunidades para capacitar o talento humano por meio da tecnologia.

Por meio da personalização de aplicativos e serviços, a terceira onda da Internet está colocando usuários no centro de cada experiência digital. Os rápidos avanços na nuvem e na conectividade móvel estão destruindo as barreiras tecnológicas e reduzindo os custos associados ao estabelecimento de plataformas globais.

No entanto, todo mundo se reúne em torno de um conceito novo e interessante, mas muitas startups definham, porque é difícil levar essa ideia para o próximo nível. Muitas vezes, o impulso por trás de uma ótima ideia morre porque o fundador não pode criar a equipe certa.

Encontrar um nicho no mercado é uma habilidade muito mais rara do que ser um bom gerente de contratação, mas as consequências de não contratar direito são exatamente as mesmas.

Esses inconvenientes comuns podem ser trabalhados como de costume, mas, talvez, não precisem ser. Há anos, por exemplo, as startups gastaram muito tempo e recursos para garantir servidores e outros equipamentos, que tiveram que aumentar quando seus negócios cresceram.

Naquela época, dirigir-se a centros de dados e, depois, certificar-se de que eles funcionavam adequadamente eram atividades que consumiam muito tempo. Mais de uma startup morreu porque não conseguiu acompanhar a necessidade de continuar a adicionar servidores.

Agora, esse problema parece uma lembrança distante. Hoje, a maioria das startups pode confiar apenas na computação em nuvem e aumentar a escala conforme necessário.

Idealmente, o futuro padronizará as tarefas que as startups precisam completar até certo ponto, o que não é mais uma grande barreira para o sucesso. Essas tarefas incluem a contratação de funcionários, a criação de uma cultura de escritórios e empresas e a busca de novos imóveis para expandir os espaços corporativos.

Todos esses aspectos são importantes para a execução de um negócio, mas não fazem parte da inovação que animou o empresário em primeiro lugar. Os empresários devem ser bons e também devem identificar e gerenciar bons talentos em diferentes áreas, como RH e finanças.

A fatia das fintechs no mercado financeiro

A indústria fintech expandiu-se para mais de 30 serviços financeiros diferentes em toda a cadeia de valor. Por exemplo, as finanças sociais expandiram-se desde a oferta de produtos financeiros a jovens profissionais até o coaching de carreira e redes.

Essas tendências podem apontar para o aumento da concorrência para os robôs-assessores e os consultores financeiros tradicionais, já que as empresas de finanças envolvidas em serviços financeiros auxiliares agregam serviços de consultoria às suas principais ofertas de produtos.

As empresas fintech estão, assim, empregando uma nova grande variedade de modelos de negócios que visam a uma ampla gama de clientes.

Por exemplo, os robôs-assessores visam aos clientes mais experientes em tecnologia, que procuram economias de aposentadoria simplificadas; enquanto outros modelos se concentram em ajudar os conselheiros financeiros com tarefas que consomem tempo, como o reequilíbrio do portfólio e o foco em atividades de valor agregado.

As empresas fintech colaboraram, entre si, para maximizar suas receitas e a participação de mercado. Os consultores financeiros tradicionais podem querer considerar colaborações para reduzir seus custos indiretos, alcançar um público potencial mais amplo e aumentar sua competitividade tecnológica.

As empresas fintech podem começar a criar seus próprios ecossistemas para atender às necessidades dos clientes. Por exemplo, os provedores de empréstimo peer-to-peer podem, eventualmente, optar pela distribuição em empresas de consultoria financeira, uma vez que servem à mesma base de clientes.

Os conselheiros financeiros devem garantir que eles façam parte desses ecossistemas a longo prazo para lucrar com essas mudanças em vez de serem deixados para trás, tentando e recuperando o caminho.

Como as tecnologias estão possibilitando novos modelos de negócio

O surgimento da Internet e o influxo de conectividade em todo o mundo possibilitaram a criação de modelos empresariais inteiramente novos, de forma social e ambientalmente impactantes.

De fato, o termo “inovação do modelo de negócios” não chegou à proeminência até o nascimento da Internet, na década de 1990. E, de forma semelhante à Internet, viu um aumento exponencial em sua popularidade.

A democratização da tecnologia e do conhecimento habilitado pelas redes sociais, a computação em nuvem e os aplicativos para dispositivos móveis criam oportunidades exponenciais para que novas tecnologias sejam desenvolvidas e adotadas.

Nos últimos anos, graças à nuvem e ao celular, o custo do início de um negócio de tecnologia foi reduzido, e as oportunidades de crescimento do mercado aumentaram.

As tendências futuras indicam que a impressão 3D, a Internet de Coisas e a biotecnologia estão no portfólio de tecnologias emergentes — em crescimento. Os resultados também evidenciaram um aumento constante nas análises de dados e na inteligência artificial.

O crescimento dessas tecnologias é resultado de vários fatores, que vão desde oportunidades macroeconômicas até incentivos locais e um crescente mecanismo global de inovação tecnológica, que está criando uma ruptura generalizada mais rápida.

A interação dessas tecnologias está permitindo novos modelos de negócios e incentivando a inovação em muitas indústrias.

Altas e baixas na Bolsa de Valores devido às inovações de produtos e serviços no mercado

Todos os dias, vemos os preços das ações mudarem, e a inovação nas empresas influi diretamente nesse cenário.

Os teóricos financeiros definem o preço das ações como o valor presente de todas as expectativas de ganhos futuros da empresa, dividindo-o pelo número de ações em circulação. O que isso significa é que a capacidade de ganhos da companhia é o que define o seu preço.

Muitas vezes, as organizações inovadoras podem obter um valor significativo de um investimento relativamente pequeno em ativos, porque a capacidade desses ativos para ganhar dinheiro é significativa.

Mesmo as empresas que perdem dinheiro, hoje, podem ter um alto preço da ação, porque o valor é baseado nos ganhos futuros da companhia. Nenhuma organização está no mercado para perder dinheiro, então, a expectativa é que todos os negócios obtenham lucro algum dia, especialmente as empresas digitais como tendência de negócios.

Enquanto houver o potencial de futuros fluxos de receita para os acionistas, haverá um preço que alguém estará disposto a pagar pelas ações — ganho que uma empresa poderia alcançar no futuro.

Em um sentido teórico, quando alguém compra as ações de uma empresa no mercado está afirmando que acredita que tais ações estão subvalorizadas.

A compra implica uma crença e a expectativa de que as ações aumentarão de valor no futuro. Ao mesmo tempo, a pessoa que vende tais ações expressa a crença oposta. Ao vender, acredita que o estoque está sobrevalorizado e que haverá uma diminuição no futuro.

Dessa forma, o mercado de ações é um fórum para o debate sobre o valor da empresa e suas ações.

A informação é um dos fatores principais que podem causar alterações no preço das ações, uma vez que dá ao mercado uma razão para valorizar uma ação em um determinado nível de preço.

O mercado cobrará com base em todas as informações sobre as quais o público está ciente.

À medida que novas tecnologias são disponibilizadas por meio da transformação digital, o mercado ajustará os preços para cima ou para baixo, com base em como o mercado percebe que a tecnologia afetará a capacidade de ganhos futuros da companhia.

Outro fator influente no preços das ações é a incerteza sobre o futuro. Por essa razão, é de se esperar que as ações saltem um pouco por causa do nervosismo do mercado sobre o futuro da organização.

Assim, essa incerteza trará alguma volatilidade para os preços das ações, mesmo durante um período em que não haja novas informações.

Como as criptomoedas podem mudar o jogo

O recente aumento de criptomoedas mostrou o destaque em moedas alternativas como resultado da transformação digital impactando diretamente a economia. Como bitcoins, a maioria dessas moedas é minada por computadores que resolvem problemas matemáticos difíceis. Elas não existem fisicamente, é claro — já que são virtuais —, mas apenas como arquivos de computador.

Como são baseadas em protocolos peer-to-peer, nenhum computador controla as moedas, mas as redes acompanham todas as transações que as envolvem.

As criptografias foram projetadas como uma unidade de troca e como um lugar para armazenar ativos sem depender de um banco central. As criptomoedas fazem parte da tecnologia Blockchain e têm um grande potencial em todos os serviços financeiros na indústria, particularmente no ambiente pós-comercial.

Como um registro imutável de propriedade, seria possível criar uma maior eficiência e transparência na manutenção de posições e na reconciliação.

As garantias poderiam ser movidas de forma rápida e fácil. Em relação à liquidação, a tecnologia Blockchain poderia permitir vários serviços, incluindo a gestão de pagamentos e do dinheiro e a transferência de títulos, facilitando acordos de garantias e empréstimos de títulos.

Nos mercados, a cadeia de Blockchain pode diminuir o risco e aumentar eficiência e a transparência. Como é ideal para o rastreamento, poderia melhorar a auditoria e os relatórios, porém, há ainda a necessidade de uma maior regulamentação antes que os mercados de criptografia atraiam a escala de investimento que muitos desses projetos precisarão para alcançar todo o seu potencial.

Assim, essa indústria só se tornará melhor quando houver uma aparência de regulação, pois as criptomoedas mudarão a forma como os dados são processados ​​e o modo como os investimentos são tratados.

Quer saber mais sobre a Transformação Digital na economia? Siga-nos no Facebook, no Instagram, no LinkedIn e assine nossa Newsletter para ficar por dentro dos nossos conteúdos!

Continue aprendendo