Conforme o mercado evolui, são desenvolvidas novas estratégias e técnicas para criar um diferencial competitivo nas empresas e assim, conquistar mais clientes. Na área do marketing e publicidade, uma das táticas que está se tornando cada vez mais popular é o Marketing Experiencial.

relação entre a marca e os consumidores é complexa e dinâmica. Constantemente as pessoas estão alterando seus gostos e percepções sobre o mundo, o que faz com que as organizações busquem se reinventar e desenvolver novas tecnologias.

O Marketing Experiencial é uma recente inovação que tem conquistado a atenção dos clientes. Entenda aqui tudo sobre o assunto:

O que é Marketing Experiencial?

Também conhecido como Marketing de Engajamento, trata-se de um aglomerado de ações que objetivam levar experiências aos clientes que são pouco exploradas em campanhas de publicidade. Por meio dele, pode-se buscar o estímulo de sentidos como olfato, paladar e tato, causar sensações diferenciadas aos usuários como prazer ou alegria, trazer experiências físicas, entre outras formas inovadoras de conectar o consumidor aos produtos oferecidos.

Graças à facilitação do acesso à informação disponibilizada na internet, os cidadãos têm conhecimento sobre os produtos, serviços e marcas de forma generalizada. Assim, é comum que eles busquem por si mesmos o conteúdo que desejam online.

Além disso, eles também tentam formas de evitar propagandas de produtos, por meio de aplicativos que bloqueiam anúncios na internet, como o famoso Adblock.

O Marketing Experiencial vai além de anúncios pagos, sejam em páginas comuns, blogs ou nas redes sociais. Essa tática proporciona emoções positivas nas pessoas e também pode gerar a fidelização do consumidor.

Como ele pode ser aplicado na prática?

Um dos aspectos mais importantes desse marketing é colocar a clientela em primeiro lugar. Por isso, os gestores se colocam no lugar dos clientes e se imaginam em quais situações seriam mais atraídos pela marca. No processo de criação de um marketing experiencial é preciso ter os seguintes pontos em mente:

  • ter objetivos e metas claras;
  • determinar formas de medir seus resultados;
  • pesquisar sobre o público desejado;
  • lembrar por que essa estratégia funciona;
  • desenvolver táticas criativas, excitantes e impactantes;
  • buscar formas de maximizar engajamento on-line.

Esse marketing se desdobra em cinco tipos diferentes, cada um deles buscando trazer experiências de forma diferenciada ao consumidor. Confira a seguir:

Sensorial

Corresponde às experiências que causam satisfação por meio do estímulo aos sentidos  — audição, olfato, paladar, visão e tato. Alguns exemplos são texturas, aromas, sabores, sons, etc.

Emocional

Tem a finalidade de comover sentimentalmente os consumidores. Ela pode promover humor, compaixão, raiva, alegria, entre outros sentimentos. Um exemplo prático é uma história contada que gera comoção ao consumidor.

Cognitivo

O objetivo desse tipo de experiência é criar experiências cognitivas, ou seja, que envolvam a mentalidade do cliente.

Comportamental

São as experiências físicas, que levam o consumidor a agir e interagir com o produto. Essa categoria é bastante ampla, inclui desde interações interpessoais, até mudanças em seu padrão de comportamento.

Relacional

Relaciona-se à identificação do indivíduo em relação à marca. Ele deve se projetar utilizando seus produtos ou serviços ou fazendo parte do seu público.

Quais são os resultados atingidos?

Em 2016, de acordo com os dados coletados pelo EMI & Mosaic, 70% dos usuários de Marketing Experiencial se tornam consumidores regulares e 100% dos clientes compartilham o conteúdo de eventos e experiências que participaram, o que evidencia que os resultados dessa estratégia são excepcionalmente efetivos.

A mesma pesquisa evidencia que 72% dos consumidores têm uma visão positiva das companhias que fornecem boas experiências. A partir dessas vantagens, 75% das companhias realizaram investimentos entre U$ 50 e U$ 100 milhões nesse marketing e esperam um Retorno sobre o Investimento — ROI — cinco vezes maior.

É importante lembrar que é preciso fazer uso dos indicadores de desempenho — KPIs — adequados para medir os ganhos exatos do projeto, são eles:

  • CPE (x1000): determina o custo pelo engajamento de cada mil clientes. Seu cálculo é o seguinte: (custo da companha / número de engajamento) x 1000;
  • número de engajamento anual: identifica quantos consumidores interagiram com a marca anualmente;
  • leads por representantes: evidencia quantos leads foram gerados por cada um dos atuantes no marketing experiencial;
  • taxa de conversão: determina quantos leads estão avançando no funil de vendas;
  • ROI: correponde aos ganhos em relação ao total investido.

Qual é a sua relação com a Transformação Digital?

Os consumidores atualmente despendem mais de nove horas de seus dias na internet. Aproveitar os meios online é uma grande oportunidade para atrair visitantes, aumentar o engajamento e o número de leads.

Ao unir o marketing experiencial com a transformação digital, sua companhia conseguirá obter os melhores resultados possíveis dessa estratégia. Veja algumas das tecnologias que podem ser utilizadas nesse marketing.

Experiência do usuário

Com a utilização de técnicas de design de experiência —  UX —, a marca conseguirá interagir de forma intrínseca com seus consumidores.

O UX comoverá os sentimentos dos usuários trazendo prazer, encantamento, afetividade e conforto na utilização dos serviços da empresa, maximizando o seu engajamento.

Big Data

As ferramentas de Big Data são tecnologias que coletam, mineram e analisam dados com o objetivo de compreender as preferências, perfis e comportamentos dos consumidores.

Com a utilização dessa inovação, será possível identificar precisamente quais são as experiências que mais comovem os usuários e, consequentemente, são capazes de torná-los consumidores regulares.

VR

Virtual Reality — VR (ou realidade virtual em português) — é uma experiência computacional em um local simulado. Na prática, os consumidores colocam óculos com uma tela para visualizar um cenário criado por computador — como se estivesse dentro do ambiente — e interagir com controles de movimento.

Essa tecnologia permite a criação de jogos, propaganda e filmes interativos, entre outras inúmeras possibilidades. O limite é a imaginação do empreendedor e da sua equipe de marketing.

Realidade aumentada

realidade aumentada consiste na criação de programas de computador que interagem com o mundo real por meio de sensores de dispositivos. Um exemplo são os filtros do Snapchat e Instagram, aplicativos famosos que utilizam a câmera como o Pokemon GO, etc.

O Marketing Experiencial faz sentido?

Apesar da comprovada efetividade proporcionada por essa estratégia, seu sentido depende se o resultado que a empresa necessita pode ser encontrado no Marketing Experiencial.

É preciso realizar análises de mercado com ferramentas de Big Data para entender se o marketing será mais adequado para seu negócio e, também, analisar se os produtos suportam alguma das categorias das experiências listadas.

O Marketing Experiencial é uma das formas mais eficazes de converter leads em clientes, pois as empresas interagem de forma dinâmica, inovadora e peculiar com os consumidores, tornando a relação mais íntima e criando relação de confiança.

A tecnologia é interligada com o marketing de inúmeras maneiras, ampliando-a e aumentando sua eficácia. Entenda à fundo essa conexão em nosso artigo sobre MarTech!

marketingMarketing
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Mercado Startups lideradas por mulheres: conheça o cenário nacional
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
3 desafios para começar a Transformação Digital em sua empresa
[contact-form-7 id="21113" title="ebook"]