Um panorama atual da Transformação Digital pelo mundo

Entenda o atual cenário da Transformação Digital pelo mundo e quais as oportunidades abertas para o Brasil

Analisando a Transformação Digital pelo mundo, vemos que este movimento já está muito adiantado em algumas partes do globo, enquanto alguns países ainda carecem de estratégias melhor aplicadas para buscar o uso massivo da tecnologia para fomentar resultados.

Enquanto os países desenvolvidos já investem há alguns anos na Transformação Digital de suas empresas, as nações menos desenvolvidas ainda estão dando os primeiros passos nessa direção e terão muitos desafios pela frente.

Vamos ver agora um panorama geral sobre o estado da Transformação Digital pelo mundo e entender qual a situação do Brasil nessa corrida pela modernização dos processos e ferramentas nas empresas:

O estado atual da Transformação Digital no mundo

Enquanto muitas pessoas imaginam que a Transformação Digital das empresas só vai ocorrer daqui a algum tempo, ela já está em movimento — e muito adiantada em países desenvolvidos.

Com a massificação da internet e das novas tecnologias, as empresas sentiram a necessidade de se adequar às novas exigências dos mercados e dos consumidores digitais — principalmente a geração Z, composta pelos nascidos a partir de 1994 e que já começam a fazer parte da massa consumidora.

O novo consumidor digital exige muito mais que apenas qualidade de produtos e serviços: ele busca por uma experiência satisfatória que só pode ser alcançada através de uma jornada diferenciada, baseada na Transformação Digital.

Já se passaram quase 11 anos desde que Steve Jobs apresentou o iPhone em um palco em São Francisco e, consequentemente, seu conceito de smartphone dominou o mercado de dispositivos eletrônicos, mudando a forma como nos comunicamos, trabalhamos, interagimos e até mesmo consumimos produtos.

Empresas de tecnologia — e que usam a tecnologia — se tornaram as mais valiosas do mundo em ações nas bolsas. Em 2017, as cinco primeiras eram Google, Apple, Facebook, Microsoft e Amazon.

Isso demonstra como a tecnologia se tornou importante em nossos dias e como é necessário para as empresas buscar pela Transformação Digital em seus processos e operações para se adaptar a essa nova realidade.

A desigualdade do mercado digital

Infelizmente, ainda temos grandes diferenças não apenas no nível de Transformação Digital, mas também em termos de infraestrutura em relação a países desenvolvidos e emergentes.

Pontos como regulamentações, políticas e nível de desenvolvimento econômico acabam por afetar diretamente a indústria digital e empresas que desejam atuar no ramo da tecnologia ou utilizar aplicações e soluções em suas operações.

Países como a China, que possuem um mercado digital gigantesco devido ao número de potenciais usuários, dificultam a entrada de players externos por meio de regulamentações, criando um ambiente paralelo com empresas locais.

Já a Índia, que possui cerca de 462 milhões de usuários ativos na internet, tem uma infraestrutura precária que afasta o surgimento de players significativos — sem contar o fato de que qualquer empresa interessada em adentrar esse mercado deve operar em várias línguas e dialetos. Além disso, o país adota uma série de leis de proteção para impedir a entrada de organizações estrangeiras.

Já quando falamos em países desenvolvidos, existe um movimento de Transformação Digital muito mais acelerado por conta de grandes infraestruturas, mais liberdade econômica e maior homogeneidade no mercado digital.

A União Europeia, maior bloco econômico do mundo, tem hoje cerca de 412 milhões de usuários e um dos maiores campos de oportunidades para empresas de produtos e serviços digitais.

Contudo, tivemos algumas atitudes recentemente com relação à diminuição da liberdade econômica e entendimento diverso acerca da atuação das grandes empresas de tecnologia, com uma multa recorde ao Google por acusações de monopólio do uso de seu navegador, Chrome, em smartphones com o sistema operacional Android.

Por outro lado, os Estados Unidos seguem sendo um dos territórios mais desenvolvidos quando o assunto é Transformação Digital, sendo lar de várias startups que vieram a se tornar as maiores gigantes de tecnologia da atualidade.

Mesmo com todas essas organizações em destaque e um dos primeiros lugares em Transformação Digital no mundo, o restante das empresas ainda carece de ações digitais em diversos setores.

O Brasil

Nosso país tem o segundo maior potencial de Transformação Digital do mundo, atrás apenas da Índia. Isso acontece pois o Brasil ainda conta com muitas empresas novas e, felizmente, o surgimento de ótimas ideias.

Esse tipo de organização, recém-criada e com pouco tempo de mercado, está mais sujeita a aceitar e encontrar bons resultados ao adquirir iniciativas digitais em seus processos.

Enquanto boa parte das empresas que compõem os mercado desenvolvidos já tem uma cultura enraizada, um mercado que conta com empresas novas está muito mais sujeito ao obter resultados com a Transformação Digital. Afinal de contas, somos em 200 milhões de pessoas e possuímos um bom poder de compra — mesmo em épocas de crise.

Números da transformação digital no mundo

Segundo uma pesquisa da Harvard Business Review, que mede o nível de competitividade digital dos países, podemos dividir as nações em 4 zonas de desenvolvimento tecnológico e transformação digital:

A atual situação da Transformação Digital em 60 países pelo mundo – Fonte: HBR.ORG

Entenda melhor esse cenário:

Stall Out

Países altamente avançados digitalmente e que exibem um grande impulso quando falamos de estratégias digitais. São considerados os líderes na busca pela inovação em diversas áreas, colhendo os frutos desses investimentos.

O desafio enfrentado por esses países altamente tecnológicos é manter o motor da inovação sempre funcionando, uma vez que sustentar esse ritmo acelerado de desenvolvimento requer gerar novas demandas para que não se corra o risco de estagnar.

Os países que se encontram em Stall Out vivem hoje um estado de pleno avanço digital, mas, exibem um momento de desaceleração, uma vez que manter a inovação em alta é um grande desafio e a maioria das demandas internas já estão sendo supridas.

Dentre os principais países nesse grupo estão:

  • Suécia;
  • Noruega;
  • Suíça;
  • Dinamarca;
  • Finlândia.

Como podemos observar, são todos países de menor tamanho e população do norte da Europa. Para ultrapassar os desafios para continuar inovando, essas nações deverão se reinventar, apostando em alguma tecnologia digital em ascensão para buscar eliminar os obstáculos que se impõe ao seu crescimento digital.

Os países que se encontram nessa zona podem utilizar de sua maturidade digital, escala e rede para reiventar seus processos e continuar crescendo digitalmente, transformando cada vez mais a sua sociedade.

Break Out

Os países considerados Break Out são aqueles que conseguiram uma pontuação muito baixa em seu processo de transformação digital por conta de vários fatores, como falta de incentivo por parte do governo ou mesmo um desenvolvimento econômico baixo.

Isso não significa que esses países não tenham um potencial para a transformação digital. Na verdade, essas nações tem ainda mais oportunidades de crescimento, pois o seu desenvolvimento tecnológico ainda está no início.

A alta dinâmica dos países que se encontram em um estado de Break Out aliado ao seu grande potencial de crescimento, devido ao baixo desenvolvimento tecnológico, torna esses países, locais interessantes para investidores que busquem altas taxas de retorno, é claro que abraçando os riscos.

Um dos principais problemas enfrentados nesses países é a sua infraestrutura relativamente fraca, de baixa qualidade institucional ou até mesmo inexistente em alguns pontos de seu território, o que prejudica qualquer tipo de iniciativa de transformação digital.

Contudo, esses países podem se tornar destaques no mercado digital no futuro. Para se ter ideia, algumas das nações que compõe esse grupo são:

  • China;
  • Russia;
  • Mexico;
  • Índia.

Os exemplos acima são de grandes economias, mas que ainda se encontram em uma zona de pouco desenvolvimento digital, sendo os principais membros do Break Out e com grande potencial para crescer, desde que invistam em infraestrutura.

Watch Out

Os países que se encontram na zona de Watch Out possuem um baixo desenvolvimento digital e enfrentam um momento de poucos investimentos em tecnologia, o que prejudica o seu crescimento e atratividade para investidores.

Alguns dos países dessa zona estão até mesmo retrocedendo em seu ritmo de digitalização, perdendo oportunidades devido a graves problemas com infraestrutura e questões políticas.

Mesmo que alguns deles apresentem soluções criativas para os problemas estruturais enfrentados e lacunas de infraestrutura, além de possíveis restrições institucionais e baixa demanda dos consumidores, a transformação digital não se encontra em níveis facilmente identificáveis.

A saída nesse caso seria melhorar o acesso à internet por parte da população, bem como a possibilidade de compra de dispositivos móveis, garantindo assim que as pessoas possam conectar-se a web móvel.

Entre os países que se encontram nessa área de pouco ou nenhum desenvolvimento digital estão:

  • Egito;
  • Paquistão;
  • África do Sul;
  • Algéria.

Stand Out

Podemos considerar os países que se encontram na zona de Stand Out como celeiros digitais de alta inovação, liderando a transformação digital por meio de diversas novas tecnologias.

São economias que se destacam por grandes investimentos em infraestrutura e tecnologia, oque permitiu a criação de um ambiente pleno e de estímulo à inovação, o que permite a esses países hoje estarem na vanguarda da transformação digital.

Entre os principais países nessa zona de desenvolvimento podemos citar:

  • Nova Zelândia;
  • Singapura;
  • Reino Unido.

Algumas grandes economias como EUA, Alemanha e Japão são altamente desenvolvidas, mas já encontram alguns problemas em seu desenvolvimento digital, se mostrando na fronteira entre as zonas de Stand Out e Stall Out.

Ou seja, mesmo que esses países tenham sido os grandes impulsionadores da transformação digital no mundo durante algum tempo, hoje elas estão se aproximando de um platô, caso enfrentado por muitas outras nações.

Para impedir que isso aconteça, os governos desses países deverão incentivar cada vez mais a competitividade e investir em mais processos digitais para se modernizar e garantir um ambiente de inovação constante.

Hoje no mundo, ao analisar os números apresentados pela Harvard Business Review, podemos dizer que a Ásia é uma das regiões que mais atrai os olhares dos investidores, com a China e a Malásia podendo sair da zona de Break Out e entrar em Stand Out a qualquer momento devido ao seu alto potencial de desenvolvimento tecnológico.

Outro país que vem chamando muito a atenção de investidores é a Índia. Com uma das maiores populações do mundo, o país também tem um grande potencial de desenvolvimento digital, o que é barrado apenas por seus problemas de infraestrutura. Porém, o governo indiano já vem investindo nessa área para minimizar os problemas enfrentados e garantir a atração de aportes de capital para o país.

Já na América latina, quem mais vem se destacando dentre os países é a Bolívia e a Colômbia, ambas na zona de Break Out e com potencial para adentrar a Stand Out, uma vez que seus governos vem investindo cada vez mais em políticas digitais e melhoria de infraestrutura.

O Brasil está entre a zona de Watch Out e Break Out, o que demonstra que os investimentos em transformação digital em nosso país ainda são baixos, mas temos um ótimo potencial de desenvolvimento para o futuro, desde que com as políticas certas.

Desafios

Nem tudo são flores no mercado digital. A neutralidade de rede, conceito que evita que provedores de internet tratem conteúdos de forma diferenciada, está em processo de revisão no mundo todo.

Isso porque, no fim de 2017, o Presidente dos EUA, Donald Trump, obteve êxito ao derrubar uma lei que garantia a neutralidade de rede no país. Isso quer dizer que provedores poderão cobrar valores diferentes de acordo com o conteúdo acessado e até mesmo reduzir velocidades.

Esse fato pode prejudicar diversos modelos de negócios digitais, como o apresentado pela Netflix, com streaming de conteúdo pela rede, exigindo uma remodelagem total no meio do processo de Transformação Digital.

Oportunidades

A Transformação Digital também trouxe diversas oportunidades para pequenas e médias empresas, que podem ter acesso às melhores ferramentas e soluções por meio da computação em nuvem, além de contar com especialistas com o outsourcing.

Além disso, o mercado digital criou diversas oportunidades de negócio — como o e-commerce, que, segundo a 37ª WebShoppers, pesquisa anual conduzida pela Ebit, faturou cerca de 47 bilhões de reais no Brasil em 2017 e continua crescendo.

Ainda podemos esperar muito da Transformação Digital pelo mundo — e principalmente no Brasil, com a criação de leis de incentivo à pesquisa e inovação por parte do governo, assim estimulando a adoção de tecnologias por parte das empresas.

Gostou deste artigo? Ainda neste assunto, confira nosso artigo que traz, de maneira bem mais detalhada, os aspectos da Transformação Digital no Brasil. Até lá!

Fundador do Transformação Digital

Tiago Magnus atuou nos últimos 10 anos em projetos digitais, trabalhando com marcas como Lenovo, Carmen Steffens, Mormaii, VTEX, Carrefour, Centauro, entre outras, e como sócio de uma das principais agências digitais do Brasil. Hoje, é Diretor de Transformação Digital na ADVB e Fundador do TransformacaoDigital.com.