Negócios e smart cities: como um universo pode beneficiar o outro

Entenda a conexão entre negócios e smart cities

O mundo dos negócios e as smart cities têm muito a ganhar um com o outro. Cada vez mais podemos observar a integração desses dois conceitos, aliando-se para criar novas experiências e possibilidades.

Com a contínua transformação digital que vivemos hoje, o conceito de smart cities — cidades inteligentes — está cada vez mais próximo, gerando grandes oportunidades de negócios e se beneficiando de inovações aplicadas por empresas.

Meu objetivo aqui é demonstrar para você como o seu negócio poderá se beneficiar da evolução das smart cities nos próximos anos. Vamos lá?

As smart cities

O conceito de smart city está ligado à sustentabilidade baseada em tecnologia. Podemos dizer que o nome envolve o uso de energia, gerenciamento de trânsito, tratamento de lixo, integração entre sistemas públicos, oferta de serviços, entre outros pontos, de forma autônoma e integrada por meio de soluções tecnológicas.

Basicamente, a expressão smart city é a evolução na utilização de recursos urbanos por meio da aplicação da transformação digital e novas tecnologias.

Em um primeiro momento, assim que o nome foi cunhado, pensava-se que o ápice da tecnologia seria apenas fornecer informações aos cidadãos. Contudo, essa barreira já foi ultrapassada por várias cidades ao redor do mundo.

Muitos municípios, inclusive brasileiros, já utilizam a aplicação da TI para fomentar o aumento da eficiência operacional de suas atividades públicas e compartilham com os cidadãos, de forma transparente, todas as informações relativas aos serviços prestados.

Os objetivos do conceito de cidades inteligentes são o bem-estar do cidadão e o melhor gerenciamento dos recursos urbanos, diminuindo custos e garantindo melhores investimentos.

A disrupção dos negócios e as smart cities

IoT, internet das coisas, é uma das principais responsáveis por essa transformação digital no modo como pensar e planejar os espaços urbanos, e a sua aplicação vem da disrupção dos negócios.

A revolução digital alimenta uma nova fase dentro da indústria, com o crescimento acelerado de empresas de automação industrial, residencial e urbana.

Essa mudança que estamos presenciando, com o surgimento de uma série de tecnologias interconectadas e inteligentes, evolui conforme as descobertas são realizadas dentro dos ambientes de negócio.

A inteligência artificial aliada às tecnologias de comunicação sem fio e internet das coisas fez com que muitas empresas apostassem no desenvolvimento de novos produtos e serviços visando à automação.

Uma pesquisa realizada pelo Statista revela que, até o final de 2018, cerca de 45 milhões de dispositivos estarão conectados à internet, trocando informações, somente nos Estados Unidos.

Esses dados revelam um crescimento de 22% ao ano, cerca de U$ 20 bilhões de dólares em negócios apenas na terra do Tio Sam, sem contar com o restante do mundo.

As oportunidades das smart cities

O novo conceito de smart city já não está ligado apenas a cidades. Agora, ele pode ser pensado de forma mais específica para prédios, bairros e distritos — enfim, qualquer tipo de projeto arquitetônico e urbano que vise à melhoria da qualidade de vida, uma natureza voltada para o futuro e a busca pela eficiência de recursos.

As empresas mantêm uma série de necessidades socioeconômicas que podem ser supridas por meio de smart cities, permitindo que avancem e se desenvolvam de forma sustentável e inovadora.

As oportunidades de gerar receita nesse novo cenário são variadas, aproveitando-se dos novos serviços, dados gerados pelas cidades inteligentes e sua infraestrutura conectada. Além disso, a própria possibilidade de entregar soluções também pode ser vista como uma grande oportunidade.

Edifícios inteligentes

A construção e a transformação de cidades inteiras em digitais é um processo lento, porém estamos observando a criação de edifícios inteligentes, que abrigam em seu interior residências e escritórios.

O conforto de trabalhar no mesmo lugar em que se mora e deixar de ficar preso por horas dentro de um carro em meio ao trânsito das cidades já é um grande benefício para os colaboradores.

Prédios assim podem controlar vários aspectos para melhorar a experiência das pessoas que habitam e trabalham neles, como a luminosidade, a temperatura e outras variáveis.

Além disso, também existe a questão da segurança, muito maior para empresas que se encontrarão nesses locais, uma vez que apenas pessoas autorizadas podem circular por esses edifícios.

Os prédios inteligentes também contarão com segurança digital, evitando o acesso de hackers à sua rede interna e impedindo o vazamento e o roubo de informações.

Sustentabilidade

A população mundial vem crescendo em um ritmo acelerado, e já ultrapassamos os sete bilhões de pessoas. Com isso, o perigo de um esgotamento dos recursos naturais se torna cada vez mais alarmante. Sustentabilidade é uma palavra-chave nesse cenário futuro e garante que as empresas terão a matéria-prima necessária para manter sua atuação.

As smart cities podem ser a solução para isso, sendo projetadas para lidar com os desafios sociais e ambientais que vamos enfrentar em futuro próximo.

A necessidade de ser sustentável também abre um leque de oportunidades para empresas que atuam com serviços, permitindo que elas prestem consultorias especializadas às demais organizações, fomentando negócios.

Leitura complementar: Sustentabilidade empresarial: um caminho sem volta?

Além disso, as cidades inteligentes inspiram a responsabilidade de cada um acerca do que é coletivo, levando as pessoas e empresas a terem maior senso crítico sobre a divisão de tarefas no mundo moderno.

Economia inteligente

As cidades inteligentes estão cheias de sensores e coletam informações em tempo real o tempo todo, podendo alimentar e impulsionar a economia e as oportunidades de negócios.

São informações de milhares de cidadãos que podem ser utilizadas para melhorar serviços e fomentar novas empresas e modelos de atuação, focando a melhoria da experiência de todos.

O turismo é uma das áreas que mais poderão se beneficiar desse conceito. Entendendo qual é o comportamento do turista ao chegar em determinada região pode-se oferecer dicas e sugestões mais aprimoradas a ele.

Inovação

Ambiente altamente digital e compartilhamento de conhecimento são terreno fértil para a inovação e o surgimento de novas ideias e tecnologias. As smart cities oferecerão aos cidadãos e empresas muito mais oportunidades de crescimento, pois gerarão uma infinidade de novas demandas que serão supridas pelas organizações.

Dentro das cidades inteligentes, todos estarão conectados, e cada uma das entidades ligadas contribuirá para o crescimento e o desenvolvimento de todos os outros players.

Os desafios e soluções

Mesmo que possamos falar que a automação urbana, industrial e residencial seja o futuro, ela ainda é olhada com desconfiança pela maioria da população e isso é simples de entender.

Imagine o estrago que uma invasão realizada por hackers poderia fazer em um prédio, por exemplo, que mantenha toda a sua gestão de forma automatizada por software e hardware.

Além disso, a fragmentação tecnológica, ou seja, o surgimento de vários players no mercado, lançando produtos que não conversam entre si é outro desafio para quem quer investir nas smart cities.

Para contornar esse desafios, os profissionais de marketing devem pôr o foco em estratégias diferenciadas para minimizar esses problemas, demonstrando o valor dessa tecnologia e a revolução que ela pode trazer para quem adotá-la.

Isso pode ser feito com um estudo acerca de potenciais consumidores, verificando quais são os players que mais têm a ganhar com a adoção de automação e fornecendo esse serviço.

Dessa forma, tais clientes poderão servir como cases de sucesso, demonstrando aos demais consumidores as possibilidades de retorno do investimento no conceito de smart cities.

A simbiose entre negócios e smart cities permitirá uma transição suave entre o cenário urbano atual, o futuro das nossas cidades e as relações sociais dentro desses espaços.

CEO na Introduce

Formado em Redes de Computadores, com especializações em Gestão de Pessoas, Coaching e MBA em Marketing. É co-founder da introduceti.com.br, que conduz o crescimento dos negócios através de estratégias e tecnologias. Além disso é investidor no projeto Globin.it, Middas e Grupo 3Minds.