Pensar a Transformação Digital para agências é preciso

Transformação Digital nas agências

Não basta ser digital, é preciso ter uma cultura adaptada nesse sentido, o que significa, muitas vezes, estar disposto a abrir mão de formas de trabalho que não cabem nas novas demandas do mercado. Por isso, pensar a transformação digital para agências requer uma reflexão básica, antes de tudo.

Grande parte dos conteúdos sobre a TD fala sobre empresas dos mais diversos segmentos, apontando para a necessidade de educá-las a respeito desses novos modelos de negócio.

Quem geralmente tem esse papel, de direcionar a transformação e prestar consultoria para as empresas, bem como criar estratégias digitais, são as agências. Por esse motivo, ninguém mais do que elas precisa estar tão imerso no modelo digital, tanto interna quanto externamente.

A partir daí, as perguntas que fazemos são: as agências têm seguido os conselhos que dão a seus clientes? Até onde vai a sua própria transformação digital?

Vamos analisar, então, esse cenário para sabermos o que ainda é preciso fazer!

Agências, vivam a transformação digital ou…

Sejam para sempre invisíveis. É isso!

Se você quer que sua agência seja considerada inovadora e represente um modelo de negócio ousado na área em que atua, não basta oferecer serviços diferenciados, é preciso viver a inovação de forma integral. Isso inclui disponibilizar infraestrutura e ferramentas completas para seus colaboradores.

No Reino Unido, 70% dos trabalhadores acham que a tecnologia de ponta é o fator mais importante em um ambiente de trabalho. Além disso, 76% acreditam que a tecnologia os torna mais produtivos.

Por que citamos esses dados? Para te lembrar que a força interna de sua empresa é tão essencial quanto a experiência de seus clientes. Da mesma forma, é preciso recordar que, fora do trabalho, eles também são consumidores e, além de tudo, a maioria faz parte da geração Y, os millennials.

Imagine se o Google não aplicasse em sua cultura interna aquilo que vende? Provavelmente, a empresa não teria o tamanho que tem, pois não disputaria os melhores profissionais do mercado, nem seria cotada por oferecer tantos benefícios aos funcionários.

Portanto, invista no ambiente interno da mesma forma que investe em soluções digitais para seus clientes. Torne-se aquilo que você vende e deixe de ser apenas mais uma agência por trás do sucesso de outras marcas.

Quer motivos para mudar? Conheça, então, as ameaças!

As gigantes de consultoria já integram serviços de gestão com TI, oferecendo ferramentas para transformar negócios no cenário digital. Com isso, elas se tornam uma ameaça real às agências – algumas, inclusive, acabam juntando-se às consultorias ou sendo compradas pelas maiores.

Portanto, aquelas que queiram sobreviver a essa concorrência precisam saber se posicionar no mercado, prestando um serviço único e realmente inovador. Para isso, até hoje não conhecemos nada melhor do que um capital intelectual rico, criativo e motivado trabalhando com equipamentos de ponta.

Outra questão é o limite daquilo que a agência pode oferecer aos clientes. Ou seja, à medida que um cliente implanta as mudanças, ele cria autonomia para caminhar sozinho pela transformação digital. Portanto, onde fica a agência quando isso acontecer?

A resposta é: não dá para parar. Agências precisam dispor de uma força de trabalho altamente qualificada para que novas soluções sejam criadas e elas possam acompanhar a TD na velocidade que o cliente precisa. Caso contrário, serão descartadas assim que seus objetivos iniciais forem cumpridos.

Da sobrevivência ao sucesso: práticas que dão certo na transformação digital para agências

Em primeiro lugar, é necessário pensar em sobreviver, mas sem deixar de lado uma estratégia de negócio que dê propósito a essa sobrevivência. Comece de dentro para fora e mostre ao cliente que você é a transformação que ele precisa.

Ou seja: do RH ao financeiro, seja a mudança que você vende e crie espaço para sua marca.

Como está sua margem de lucro? Existe alguma alteração interna que possa aumentar sua receita?

Pois bem, pensar em transformação digital é levar em conta o modelo disruptivo, otimizando recursos por meio da tecnologia.

E quando nos referimos aos processos internos, como contratação de funcionários, equipamentos, ferramentas de trabalho, comunicação interna… Será que dá para economizar fazendo mudanças em cada um desses pontos, e, ao mesmo tempo, melhorar a qualidade dos serviços? Só dá!

Antes de qualquer coisa, reveja os arranjos de trabalho, crie uma jornada focada em produtividade, esteja disposto a ouvir seus colaboradores e não tenha medo de dar aquilo que eles querem. Se você tem ótimos profissionais e eles adorariam ter mais dias em casa, por que não adotar a política de home office?

Automatize, também, o processo de comunicação e rompa bloqueios entre os setores. Nesse quesito, com muito pouco investimento, você consegue ganhar mobilidade, rapidez,  organização e integração.

Aqui, vale ressaltar que não adianta investir em ferramentas se você ainda acredita em barreiras hierárquicas. Como falamos no início do texto, a TD só acontece se for acompanhada de mudanças na cultura organizacional.

Leia também: Os estágios da Transformação Digital em uma empresa

Dessa forma, mesmo que lá fora existam concorrentes oferecendo “tudo de marketing por um precinho irresistível”, sua agência terá uma marca sólida, com os melhores parceiros, conteúdo relevante e a inovação constante a seu favor.

A transformação digital é sobre pessoas e, principalmente, sobre quem se comunica com elas.