Nem sempre é possível prever o futuro dos eventos e os hábitos da sociedade, mas podemos afirmar que o formato online chegou para ficar!

Antes da pandemia do coronavírus, essa possibilidade nem sempre era cogitada. Porém, o isolamento social obrigou o distanciamento, fazendo com que soluções digitais fossem utilizadas. Diante disso, o que era uma resolução momentânea, tornou-se um formato criativo, que pode ser até mais rentável e acessível.

Continue acompanhando e veja como os eventos online já viraram tendência e tendem a crescer ainda mais. Além disso, conheça as vantagens de apostar nesse formato! 

Saiba também, quais são algumas tecnologias do futuro e como usar os eventos virtuais na sua empresa. Boa leitura!

Futuro dos eventos: as tendências digitais que chegaram para ficar

Logo, que as medidas de quarentena e isolamento começaram a ser aplicadas, devido ao avanço da pandemia o futuro dos eventos, principalmente físicos, tornou-se incerto.

Afinal, conforme a quarentena era decretada em todo o mundo, todas as programações de entretenimento foram canceladas. Assim como outras atividades, como aulas e a própria rotina de trabalho.

Diante disso, e sem previsão de quanto tempo o isolamento duraria, empresas e profissionais precisaram repensar suas formas de trabalho.

No caso das rotinas de colaboradores, muitos começaram a trabalhar em home office. Já nas escolas e faculdades, as aulas tornaram-se remotas. Por fim, inclusive com formato solidário, muitos artistas passaram a realizar shows online — as chamadas lives.

Nesse sentido, o cotidiano de todos foi transformado. Cada vez mais plataformas, aplicativos e redes sociais foram usadas para colocar pessoas em contato. De reuniões rotineiras entre chefes e colaboradores, até grandes festivais, que foram adaptados para o virtual. Os eventos online se tornaram tendência em apenas alguns meses.

Toda essa rápida transformação surgiu devido à própria necessidade de não parar atividades. Assim, as empresas encontraram uma solução para continuar com suas rotinas, na medida do possível e diminuir os efeitos da crise da pandemia. 

Por sua vez, os eventos online de entretenimento, tornaram-se a única solução para evitar prejuízos financeiros para algumas empresas da área. 

O crescimento dos eventos online

Assim que a quarentena foi estabelecida, muitas empresas passaram a questionar e analisar qual seria o futuro dos eventos. De acordo com o estudo Global Entertainment & Media Outlook 2020-2024, da PwC Brasil, neste ano, o setor apresentará uma recessão estimada em 6,5%, comparada a 2019. 

Porém, o estudo também aponta a eficácia da transformação digital. Diferente de alguns setores — como o turismo —, que dependem exclusivamente do consumidor, muitos eventos puderam ser adaptados para o online. Dessa forma, é possível ter uma projeção animadora sobre o futuro dos eventos. 

Na pesquisa, a estimativa é de que em cinco anos o setor se recupere no Brasil, com um crescimento médio de 2,47% ao ano. Porém, há diferença entre os diversos setores de eventos, mídia e entretenimento medidos, o que aponta também uma mudança na forma de consumir.

Por exemplo, até 2024, a tendência é de que a receita mundial do Cinema caia bruscamente, ficando abaixo da receita de 2019. Por outro lado, plataformas de streaming e uso de realidade virtual, têm perspectivas altas, com crescimento de receita estipulado em mais de 10%.

As vantagens dos eventos virtuais e como podem se tornar o “novo normal”

Como qualquer medida, há quem tenha dificuldades para se adaptar e executar novas mudanças — o que pode comprometer a produtividade de uma empresa. 

Dessa forma, é preciso compreender como aplicar essa transformação digital corretamente, e não evitá-la. Afinal, a experiência online tende a ser um pouco diferente da presencial, mas, como já vivemos em um mundo cada vez mais digital, é imprescindível fazer essa adaptação. 

Assim, não só no cotidiano, mas também em ações, como os eventos digitais, podemos aproveitar diversas vantagens dos novos formatos que, com certeza, influenciarão no futuro dos eventos e poderão ser o “novo normal”.

Facilidade de participação

Muitos eventos de caráter acadêmico, cultural, tecnológico, entre outros, são realizados de forma presencial. Contudo, além de possíveis taxas de participação, quem tem a intenção de participar do acontecimento, também enfrenta dificuldades, devido a outras despesas.

Pense, por exemplo, em um pequeno empresário que quer participar de uma feira tecnológica exclusiva para sua área. Muitas vezes, o custo da participação já é um valor considerável.

Somando-se a ele, despesas de hospedagem, alimentação e transporte, às vezes, por vários dias, o evento pode se tornar inacessível. Dessa forma, esse empresário tem dificuldades para acompanhar as novidades de seu negócio, bem como se especializar mais para crescer.

Contudo, quando o evento ocorre de forma online, essa mesma pessoa consegue aproveitar a oportunidade. Isso porque, mesmo com alguma taxa de participação, todas as outras despesas podem ser eliminadas ou diminuídas.

Custo reduzido

Quem organiza um evento, sabe que é preciso pensar em vários custos. De forma geral, uma ocasião presencial sempre exige:

  • espaço;
  • segurança;
  • estrutura;
  • logística;
  • convidados e atrações.

Logo, é necessário um orçamento correspondente, para realizar o evento com qualidade. Já no caso do online, todos esses gastos tendem a ser menores.

Para começar, se o evento não vai ter a presença de tantas pessoas fisicamente, não é necessário um espaço tão grande. Além disso, questões de segurança, logística e estrutura também podem ser facilmente amenizadas. Nesse sentido, o maior investimento seria destinado à infraestrutura tecnológica. 

Outro fator é que, não necessariamente a participação de atrações precisa ser física, o que reduz os gastos, basicamente, ao cachê cobrado pela pessoa.

Mais possibilidades

O ambiente online oferece mil possibilidades para a criação de eventos. Nele, é possível:

  • planejar a interação dos participantes; 
  • usar recursos de vídeo e áudio para criar conteúdo; 
  • provocar uma ação imediata nos participantes.

Além disso, em termos de execução, há muitas possibilidades! Cada vez mais empresas estão investindo em realizar eventos online. Também muitas plataformas têm melhorado seus recursos tecnológicos, para fornecer mais segurança de dados, além de compartilhamento de arquivos, telas e participação de mais pessoas.

Participação de pessoas da área

Se você já planejou um evento e sonha em trazer um especialista da área, para a sua empresa, pode encontrar diversas dificuldades. Afinal, além do custo para que a pessoa participe, também é preciso conciliar fatores como agenda e deslocamento. Mas com o online, isso não se torna tanto um problema.

Afinal, o participante estando em seu próprio ambiente, apenas precisa de tempo e estrutura para poder participar à distância. 

Sendo assim, os custos diminuem para você, pois existe mais facilidade para o especialista. Além disso, os participantes do evento podem receber conteúdo de qualidade, tirar dúvidas e participar de debates, que agregue valor à sua carreira.

Formas de monetização

Os eventos digitais também trouxeram novas formas de monetização. Aqui, não só a redução de custos se torna importante, mas também a abertura para um público maior. 

Por exemplo, pensando em um festival cultural, cujo espaço limitava a participação de muitas pessoas, agora temos a possibilidade de fazer eventos, quase, ilimitados.

Dessa forma, mesmo com toda a estrutura tecnológica e um valor mais acessível, a monetização pode ser, inclusive, mais lucrativa. Uma vez que, as fronteiras praticamente não existem. Ou seja, o evento tem possibilidade de atingir outras regiões e até níveis globais, atraindo não só público, mas também anunciantes.

Eventos híbridos e como a tecnologia influenciará no futuro dos eventos

Diante da popularização dos eventos digitais, você pode pensar “mas, então, não haverá eventos físicos?”. A resposta é não, pois dificilmente o online substituiria qualquer interação presencial. Aliás, a base de qualquer evento é a reunião e interação de pessoas. 

Porém, o que pode haver é, além dos dois tipos de eventos, novas tendências, adaptadas a cada tipo de objetivo. Por exemplo, com a estabilização do home office e seu crescimento pós-pandemia, reuniões de empresa e conferências podem facilmente ser mantidas online, já que dependem da comunicação eficaz entre as pessoas, não da presença física. 

Já eventos de entretenimento, como shows, tendem a ser mantidos fisicamente, ainda que menores, pela própria experiência do consumidor.

O que são eventos híbridos?

Outro modelo que tende a ficar bastante popular é o evento híbrido. Basicamente, ele é a mistura tanto do físico quanto do virtual. Aliás, esse formato não é novidade. 

Na educação, por exemplo, diversas faculdades já trabalham com metodologia híbrida

Isso significa reunir o melhor dos dois mundos: a necessidade presencial e de se executar atividades práticas, com todas as vantagens do online, para ganhar agilidade, tempo e facilitar tarefas.

Em relação aos setores que farão uso dos eventos híbridos, é difícil prever, pois se trata do futuro dos eventos e, cada área, avaliará não só a questão dos custos, como também da recepção dos consumidores. De toda forma, a possibilidade existirá e, com certeza, será fácil de executar, devido a novas tendências tecnológicas, que também estão surgindo.

As tendências tecnológicas para o futuro

Não só os eventos híbridos, mas todas as experiências presenciais e online, em alguns anos, poderão se beneficiar de uma ampla estrutura de tecnologia. 

Isso porque, alguns aspectos estão sendo melhorados e outros desenvolvidos, para que a transformação digital traga novas melhorias ao cotidiano e abra oportunidades para novas empresas. 

Conheça algumas delas a seguir.

Internet

Falar de internet como tendência tecnológica, pode parecer estranho. Contudo, há ainda muito para evoluir na área. 

O aspecto principal a ser melhorado, especialmente em países em desenvolvimento, é a questão do acesso. Isso porque nenhum evento online ou uso de tecnologia, pode ser realizado sem esse fator.

Apesar de no Brasil, quase 75% da população ter acesso, cerca de 46 milhões de pessoas ainda estão fora do mundo digital. Entre as razões, a falta de cobertura da rede e o custo do serviço e dos aparelhos, são os principais fatores para o não uso da internet. 

Assim, será necessária uma maior preocupação com estrutura, para atender a todas as pessoas, além do fator de renda e preços mais acessíveis. 

Outro aspecto importante, e que já está em desenvolvimento, são as conexões mais rápidas. Acabamos de ter acesso ao 5G, que já é capaz de dar suporte às mais diversas tecnologias e áreas, como drones e cidades inteligentes. Mas a evolução não vai parar por aí. Em 2030, a previsão é de que já exista o 6G, e em 2040, o 7G. 

Com isso, não só teremos uma internet mais rápida em nossos smartphones, mas tudo o que usa tecnologia poderá ser levado a outro nível. Um exemplo é a internet das coisas, por exemplo, os objetos smart, como geladeiras e TVs, que entendem os padrões de consumo de “seus donos” e atendem suas necessidades de forma conectada e rapidamente. 

Nesse sentido, provavelmente, viveremos em um mundo mais conectado, em uma casa mais inteligente e com tecnologias mais biológicas.

Inteligência artificial

No filme AI: Inteligência artificial, a vida se dava em cidades altamente tecnológicas, nas quais os robôs faziam parte do cotidiano de todos. Apesar de o cenário da produção de 2001 estar um pouco distante, já podemos contar com exemplos de inteligência artificial, que tendem a evoluir muito mais.

Os exemplos mais comuns, e que já fazem parte de nossa vida, são os assistentes virtuais. Na Apple, a Siri ajuda os usuários a fazer ligações, responder perguntas direcionadas e oferece sugestões. 

Já na Amazon, a concorrente Alexa também usa tecnologia de conversação para realizar tarefas do dia a dia, inclusive reproduzir músicas e se conectar a dispositivos de outras empresas. 

Em relação aos eventos, a inteligência artificial também está presente. Nesse caso, um dos exemplos mais notáveis é Hatsune Miku. Lançada há cerca de 10 anos no Japão, a cantora pop que vende milhares de produtos e lota shows, na verdade, é o holograma 3D de uma garota criada como anime — animações em estilo japonês. 

A cantora não só é capaz de dançar e interagir com a plateia, como também canta, por meio de um software chamado Vocaloid, que lhe proporciona uma performance perfeita no palco. Aliás, seu sucesso vai bem além. Tanto que Akihito Kondo, um fã de Miku, acabou se casando com ela. 

Levando uma vida isolada e com poucos relacionamentos reais — algo chamado de hikikomori no Japão —, Kondo encontrou felicidade em seu relacionamento virtual, a ponto de casar-se com o holograma em 2018.

Inclusive, ele realizou uma cerimônia física e obteve o certificado de casamento pela empresa do personagem. Apesar de sua interação com ela ser limitada a algumas frases, o fã espera que, no futuro, a tecnologia proporcione um contato maior entre eles. 

Robótica 

Quando pensamos em futuro, é impossível não lembrar dos robôs. Aliás, os temas mais discutidos nessa área é se um dia eles substituirão os humanos e se poderão ter sentimentos. Apesar disso, não há nenhum receio em evoluir a tecnologia nessa área.

A tendência é que já em 2040, possamos viver em uma casa plenamente conectada e provida de robôs, para auxiliar em questões, como segurança e tarefas domésticas. Já no futuro dos eventos, não é irreal pensar em robôs para a infraestrutura ou como atração principal. Um exemplo, é o caso do robô golfinho dos parques aquáticos do futuro. 

Pensado para substituir animais reais, esse tipo de robô pode ser a solução do futuro para resolver problemas de cativeiro e extinção de espécies, em zoológicos e aquários. Contudo, também favorece a reflexão sobre a experiência do entretenimento e a recepção por parte do público.

Realidade aumentada 

Por meio de uma câmera, é possível ver elementos como se estivessem presentes no mesmo espaço que você. Além disso, você também consegue visualizar informações pela mesma tela. 

Essas são as possibilidades da realidade aumentada que já existem para nós.

Presente em aplicativos e wearables — acessórios inteligentes, como óculos —, a RA já é usada em cursos de faculdade, para encontrar informações em um local e também para o entretenimento. 

Dois exemplos interessantes sobre essa tecnologia, são o Google Glass e o Pokemon Go. O primeiro, pode ser usado em ambientes corporativos, para facilitar o acesso a informações e otimizar a produtividade de uma empresa. 

Já o segundo, é um jogo lançado em 2016, baseado em RA e localização. Chamando atenção por sua alta popularidade, ele foi responsável por levar milhares de crianças e adultos a caçar as criaturas Pokémon por todos os ambientes — de shoppings e parques em toda a cidade, em uma experiência verdadeiramente híbrida. 

Realidade virtual

Diferente da realidade aumentada, a realidade virtual é um pouco mais complexa e também tende a ser tendência no futuro dos eventos. Com ela, por meio de um dispositivo, a pessoa entra completamente em uma nova realidade.

Começando com os óculos estereoscópicos no século XX, hoje a RV evoluiu muito e é usada amplamente em jogos e filmes. Porém, ela não para por aí. Muitas empresas têm usado essa tecnologia para oferecer experiências de teste. 

A Amazon, por exemplo, trabalhou a ideia em quiosques na Índia, para que os consumidores tivessem uma experiência divertida e pudessem testar seus produtos, antes das compras. 

Sendo assim, nada impede que, no futuro, você possa estar dentro de um estádio para assistir a um show, sem sair do sofá de casa, ou que realize uma reunião com colaboradores, à distância, como se estivessem todos no mesmo ambiente.

Como usar eventos virtuais para atingir objetivos na sua empresa

Como você viu, o futuro dos eventos terá uma grande parcela de tecnologia e ações digitais. Aliás, cada ferramenta pode ser usada de forma precisa — desde as mais simples até as mais complexas —, para cumprir diferentes objetivos, nos mais diversos tipos de negócios. 

Sendo assim, você pode criar uma ação, aproveitando cada vantagem dos eventos digitais e adaptando certos fatores essenciais, para a sua realidade.

Público

Com as possibilidades digitais, o seu público se expande e você consegue atender nichos, que não poderiam comparecer no presencial. 

Além disso, também é possível tornar seu evento físico ou digital muito mais exclusivo e desejável, com a combinação de mais tecnologias — o que pode colaborar para a valorização da empresa.

Conteúdo

Um grande desafio no futuro dos eventos, será manter a relevância. Isso porque com tantas possibilidades online e com concorrência maior, é preciso investir em qualidade — não só de infraestrutura, mas também de conteúdo. 

Dessa forma, experiências sensoriais e outras tecnologias, podem colaborar para deixar o seu evento mais interessante e atrativo.

Divulgação

Nenhum evento é possível sem a participação das pessoas. Por isso, a tecnologia terá um papel fundamental em fazer chegar a sua ação para o público.

Usando formas de propaganda online, criando pontos físicos atraentes e mostrando uma prévia da experiência, com facilidade de compra. Assim, é possível alcançar as pessoas na hora certa, para garantir sua participação e a venda de produtos.

Higienização

Depois da pandemia, questões como higienização e saúde pública ainda serão muito importantes. Em eventos físicos, principalmente, onde se pensará sobre o aglomerado de pessoas. Por isso mesmo, a tecnologia pode ajudar.

No futuro, um robô, sem correr nenhum risco, poderá ser usado em seu evento, para rastrear um grande público e garantir a segurança, não só física, mas também da saúde de todos. Com isso, não só a empresa demonstrará seu compromisso social, como também poderá trabalhar o seu branding.

O futuro dos eventos é incerto. Afinal, as tecnologias evoluem a cada dia, mas seu acesso ainda não é igual para todos. Apesar disso, algumas já são realidade e representam uma grande transformação. 

Os eventos digitais são um exemplo, pois você poderá, conforme a possibilidade, incorporá-los com outras soluções no futuro, para posicionar sua empresa em um melhor panorama, dentro de seu mercado de atuação.

Gostou do artigo? Compartilhe em suas redes sociais e divulgue qual será o futuro dos eventos!

marketingMarketing
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Marketing NPS em eventos online: o que é e porque importa
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Marketing Eventos online em 2021: a grande virada do mercado
[contact-form-7 id="21113" title="ebook"]