UX x UI: as principais diferenças para usuários e designers

Entenda as diferenças entre UX e UI

Você sabe qual a diferença entre UI e UX? Se você se deparou com esta pergunta, com certeza está buscando se atualizar quanto às novidades da área de design e desenvolvedores de softwares. Entretanto, até mesmo quem trabalha na área pode ter dificuldades em distinguir os dois termos.

Conhecer esses dois conceitos, principalmente em relação às suas aplicações práticas no mundo dos negócios, será o diferencial na preferência do seu consumidor. Além disso, ambas profissões podem impactar muito o processo de transformação digital de sua organização:

Qual a diferença entre UI e UX?

Primeiramente, vamos começar pelos nomes: UI significa User Interface (interface do usuário) e UX significa User Experience (experiência do usuário). Ambos são métodos de interação entre os serviços e produtos de uma empresa. As diferenças entre os dois conceitos são intrínsecas.

User Interface Design

Consiste no conjunto de componentes que formam as interfaces para máquinas e aplicativos. Funciona como um intermédio entre os humanos e as máquinas. A UI inclui elementos de hardware (peças físicas) e software (programas e comandos lógicos). Ela existe para vários sistemas e fornece controle por ferramentas de:

  • entrada: meios que permitem que o usuário manipule o sistema;
  • saída: são os efeitos produzidos a partir das ações dos utilizadores.

O seu objetivo é fazer os usuários interagirem do modo mais eficiente possível e completarem suas metas, sendo que a máquina fornece feedback e auxilia o usuário na sua tomada de decisões.

Alguns exemplos desse conceito incluem sistemas operacionais de computadores (Windows e IOS), painéis de controle de operadores de máquinas, ferramentas de mão etc.

Isso significa que as interfaces não existem apenas para conectar os utilizadores e softwares de computadores. O painel de um carro é um exemplo de UI, sendo o volante o dispositivo de entrada para controlar a direção e os pedais para definir a velocidade.

O carro também trará feedback ao motorista, fornecendo dados pelo velocímetro, indicador da quantidade de gasolina no tanque, entre outros aspectos.

No desenvolvimento de um UI, sempre são considerados princípios ergonômicos e psicológicos para torná-los fáceis de serem usados (autoexplicativos) e agradáveis (user-friendly). Por essa razão, uma boa interface deve ter as seguintes qualidades:

  • claridade: elementos visuais estão em uma linguagem clara e evitam ambiguidade;
  • concisão: informações são completas e sucintas simultaneamente;
  • familiaridade: elementos são familiares ao usuário, permitindo utilização imediata;
  • consistência: obedecer a um padrão;
  • estética: ser agradável de se visualizar;
  • eficiência: deve garantir ser um atalho para os usuários, aumentando sua produtividade;
  • perdão: ter soluções para remediar eventuais erros das pessoas.

User Experience Design

Assim como o anterior, consiste em uma interação entre um humano e um computador. Entretanto, aqui se busca envolver as emoções e atitudes de uma pessoa quando ela interage com a empresa, seus produtos, serviços, sites, aplicativos etc.

Os valores práticos, experienciais e afetivos individuais das pessoas são implantados no produto da marca, de forma que a percepção do usuário inclua aspectos como utilidade, facilidade de usar e eficiência.

Esse conceito pode ser bastante similar ao UI, porém, o UX se trata de um propósito, enquanto o UI lida com aparência e funcionalidade. A ergonomia do UX considera o interior do indivíduo. A palavra-chave aqui é “sentimento”. Para aplicá-lo sobre um produto, é necessário:

  • pesquisar sobre as personalidades dos usuários;
  • criar uma persona (modelo de pessoa ideal para aquele serviço ou produto);
  • analisar o histórico dos perfis dos utilizadores;
  • testar a sua usabilidade.

Essa filosofia começou a ser desenvolvida no final do século 19 e início do 20, na época em que personalidades como Henry Ford e Frederick Winslow Taylor descobriam novos métodos de tornar o trabalho humano mais eficiente e produtivo.

A preocupação de Taylor sobre a eficiência da interação entre os trabalhadores e suas ferramentas de trabalho é o primeiro exemplo que se assemelha aos fundamentos do UX. O termo User Experience foi popularizado por Donald Norman no meio dos anos 90. A sua intenção era trazer fatores afetivos e preocupações sobre o comportamento no trabalho.

Os recentes avanços tecnológicos trouxeram mobilidade e sociabilidade. A conectividade das redes sociais transformou o modo das pessoas interagirem com a tecnologia e os conhecidos. As plataformas não consistem mais somente em uma ferramenta de trabalho, mas fazem parte do dia a dia de todos os indivíduos ao redor do globo.

No design de uma plataforma ou site, é importante combinar os interesses de diferentes stakeholders (público interessado), como usabilidade, marketing, branding e estética. Tudo precisa ser combinado de forma a incrementar a experiência dos envolvidos.

Quais as responsabilidades de cada profissional?

O UX é uma vertente diferente do UI. Existem diversos programas que criam especialistas especificamente no campo do UX. Alguns exemplos são: UXallianceit.certsMercedesSanchezNielsenNormanGroup, entre outros. Trata-se de uma vertente diferente do UI.

As atuações dos profissionais dos dois campos apresentam diferentes preocupações e responsabilidades. Confira quais são elas a seguir.

UI Designer

  • tornar as interfaces que conectam os humanos mais atraentes e esteticamente gratificantes;
  • estudar desenvolvimento gráfico e branding;
  • estudar componentes artísticos, relacionando o que o usuário vê, ouve e sente;
  • criar guias e linhas de tempo;
  • analisar a interatividade do consumidor;
  • fazer pesquisas no setor de design em geral.

UX Designer

  • ajudar os usuários a completarem tarefas significativas perante as diferentes plataformas e serviços;
  • lidar com o propósito e a funcionalidade do produto, atuando diretamente na qualidade da interação entre o produto e o usuário;
  • por trabalhar com componentes sociais, deve lidar com pesquisas de marketing e conhecimentos de comunicação, para saber como transmitir uma ideia aos clientes;
  • analisar o trabalho com o projeto durante toda a fase de idealização, desenvolvimento e entrega;
  • analisar o mercado de consumidores e suas mudanças, as ações de seus concorrentes e incrementar na estratégia da companhia;
  • coordenar o trabalho com os desenvolvedores, UI designers, gestores e colaboradores de outros departamentos.

Entendeu qual a diferença entre UI e UX? Saber sobre o assunto é essencial para garantir a máxima satisfação dos seus consumidores. Após a leitura deste artigo, esperamos que os conceitos, as semelhanças e as diferenças entre os termos e o trabalho dos profissionais de cada área se tornem mais claras.

Diretor de Criação no Portal Transformação Digital

Diretor de arte há mais de 8 anos, diretor criativo no Portal TD, com experiência em branding, UX/UI Design, ilustração, fotografia, mídias digitais e tradicionais. Mencionado em sites importantes sobre design e ilustração como Abduzeedo, Behance e DeviantArt.