Os departamentos jurídicos das empresas têm espaço para inovação? Essa pergunta pode passar pela cabeça de muitos profissionais da área.

Não é incomum encontrar alguns deles distantes da Transformação Digital que impacta — sim! — todos os setores do mercado.

Mas existem iniciativas na vanguarda, que levam departamentos jurídicos ao chamado Direito 4.0.

Segundo a estrutura e tecnologia se juntam para criar um ambiente de alta produtividade.

É sobre essa Transformação Digital nos departamentos jurídicos das empresas que vamos falar a seguir.

Como a Transformação Digital impacta os departamentos jurídicos?

A Transformação Digital não é apenas automatizar os processos e adotar sistemas de computador para organizar ou integrar áreas. Isso é apenas digitalizar os negócios.

Quando um mercado passa por uma Transformação Digital, ele emprega tecnologia para transformar o modo como aquele setor se comporta.

Uber transformou o setor de transporte de passageiros, porque, além de usar a tecnologia para facilitar as relações, ele também mudou a forma de pensar e utilizar esse serviço.

No setor imobiliário, o Airbnb fez a mesma coisa.

Ele não trouxe apenas a possibilidade de alugar um imóvel pela internet. A forma como locador e locatário se relacionam, são avaliados e até recebidos mudou completamente.

E quando falamos do impacto da Transformação Digital nos departamentos jurídicos das empresas, estamos falando justamente disso.

Transformar a forma como essas áreas atuam, usando tecnologia para fazer parte da estratégia dos negócios.

Para isso, mudanças além do software são necessárias.

O mindset dos profissionais da área precisa ser ajustado para que compreendam a existência de aspectos atuais que precisam fazer parte do seu dia a dia e da sua forma de fazer o Direito.

Confira a seguir alguns deles.

Mobilidade

Dispositivos móveis, como tablets e smartphones, transformam qualquer lugar em ambiente de trabalho. Informações à mão dão mais agilidade aos processos do departamento jurídico e aos profissionais também.

Automação

Peças jurídicas podem ser pré-formatadas, pesquisas à legislação respondidas em segundos, assim como as consultas a processos em tramitação, o que impacta diretamente a produtividade do departamento.

IA e Analytics

A inteligência artificial (IA) na área jurídica torna a análise de dados algo essencial para predição de ações e estratégias junto aos processos. Além disso, permite que, junto à jurimetria, resultados sejam mapeados e mensurados para tornar o departamento jurídico mais eficiente.

Integração e colaboração

A justiça brasileira vem integrando seus sistemas de dados e inteligência.

O mesmo deve acontecer com os departamentos jurídicos que precisam atuar de forma integrada e colaborativa junto aos demais setores da empresa.

E talvez o impacto mais relevante esteja ligado a uma maior participação na estratégia do negócio.

Com a automação das tarefas rotineiras e a capacidade de análise ampliada por tecnologias como IA, cabe aos profissionais dos departamentos jurídicos entenderem que seu envolvimento com a empresa é essencial.

É preciso enxergar que a época de ficar em suas salas peticionando ou formulando contratos passou.

Agora, é necessário desenvolver a capacidade de interagir com as áreas de negócio de forma a agregar soluções estratégicas que ajudem a aumentar os resultados da empresa.

Como os departamentos jurídicos podem se preparar?

Um dos aspectos para que um departamento jurídico acompanhe a Transformação Digital é contar com tecnologia para otimizar sua rotina.

Tecnologias em nuvem, inteligência artificial, sistemas com segurança de dados e ferramentas de colaboração são alguns exemplos.

Porém, como falamos inicialmente, a Transformação Digital só acontece se formos além da tecnologia. Nesse contexto, vale destacar dois pontos: o desenvolvimento de novas competências e a humanização do Direito.

O desenvolvimento de novas competências

Já em 2015, a consultoria Robert Half, líder mundial em recrutamento, afirmava que os departamentos jurídicos das empresas vinham ganhando um status estratégico e consultivo. E, por isso, os profissionais do setor precisavam desenvolver habilidades de comunicação e gestão de pessoas.

Na sua edição do Guia Salarial de 2019, a consultoria segue afirmando que habilidades comportamentais chamam a atenção dos recrutadores.

Boa comunicação, perfil multitarefas e senso de dono são bem-vistas na busca de times alinhados e focados no crescimento do negócio e na entrega de resultados.

O profissional de Direito é um estudioso nato, e essas informações reforçam a necessidade de desenvolvimento de competências além das técnicas.

Entre elas, podemos destacar:

  • empreendedorismo;
  • visão de negócios;
  • flexibilidade e dinamismo;
  • antecipação às necessidades do cliente;
  • colaboração;
  • criação de novas soluções, produtos e serviços.

A humanização do Direito

Com inspiração nos conceitos de Design Thinking, surge a prática de Legal Design, uma abordagem que visa repensar a forma de oferecer produtos e serviços na área jurídica.

Cultura, experiências pessoais e processos da vida das pessoas são utilizados para ter uma visão mais completa do contexto.

Também são usados para que a solução seja obtida com foco nas pessoas, que devem ser o centro do desenvolvimento de um projeto.

Por exemplo, com a Transformação Digital que já acontece em outros setores, será que seu cliente interno gostaria de acompanhar o andamento de um processo pelo celular, de forma interativa?

A humanização no Direito passa por olhar menos para peças processuais e mais para o cliente final, que recebe seus serviços.

É preciso entender quais suas necessidades e anseios e como o departamento jurídico pode atuar com proximidade e engajamento para obter melhores resultados.

Como os profissionais do departamento jurídico devem se preparar?

Estar mais próximo das áreas de negócio certamente é um bom primeiro passo para mudar seu mindset.

Mas além disso, cada profissional da área pode (e deve!) repensar seu modo de atuar e estar atento a oportunidades como:

  • posicionar-se como parceiro das áreas de negócio;
  • acompanhar o que acontece na empresa e no seu mercado de atuação;
  • trabalhar no planejamento estratégico da empresa e do departamento jurídico para propor inovação;
  • compartilhar conhecimento com as demais áreas de negócio;
  • ter um olhar de empatia com seus clientes internos.

Dá para perceber que a resposta para a pergunta com a qual iniciamos o texto é sim, os setores jurídicos das empresas têm espaço para inovação.

Muitos profissionais da área precisam se preparar para a Transformação Digital.

Que tal ajudar seus colegas e entender mais sobre os impactos da Transformação Digital nos departamentos jurídicos das empresas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais e ajude a construir o Direito 4.0.

Equipe Marcelo Tostes

juridicoJurídico
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Atendimento Digital Como a estratégia omnichannel pode influenciar na percepção da sua marca
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Investimento Desbancarização e inovação: por que as fintechs têm crescido tanto?
ABOUT THE SPONSORS
Marcelo Tostes

Escritório com espírito jovem e vanguardista que elabora processos internos na mesma linguagem corporativa dos seus clientes. Uma janela aberta para o mundo, antenada com a revolução tecnológica que exige versatilidade, mas com muita gestão e seriedade.

[contact-form-7 id="21113" title="ebook"]