Com a situação atual desencadeada pela pandemia de COVID-19, o mundo inteiro ainda está em busca de maneiras para combater a doença. No entanto, pesquisas já demonstram o grande impacto sofrido pelos diversos setores econômicos com a quarentena em massa.

Neste cenário, as cidades estudam maneiras seguras de voltar à rotina de trabalho. Contudo, é importante lembrar que a pandemia ainda não está controlada, e que tratamentos e vacinas seguem em fase de testes. Assim, ainda que um retorno às atividades seja desejado, a saúde das pessoas e a contenção do vírus devem ser o foco principal de todos.

Para que a sua empresa realize um retorno ao trabalho responsável e seguro, algumas precauções são necessárias. Além disso, manter a satisfação dos colaboradores também pode diminuir os resultados negativos da situação.

Acompanhe, neste texto, as principais medidas que a sua organização deverá adotar na volta à rotina de trabalho e como utilizar os benefícios flexíveis para auxiliar nos cuidados com os profissionais. 

De volta à rotina de trabalho e a responsabilidade social das empresas

Sabemos que as empresas são locais onde grande parte dos trabalhadores passa pelo menos um terço dos seus dias. Assim, as organizações têm um impacto quase tão significativo na contenção da pandemia quanto às entidades governamentais.

Suas decisões são importantes, pois, juntas, determinam a rotina e a circulação de um contingente enorme da cidade. Mesmo que estejamos falando de uma empresa de pequeno porte, com um quadro reduzido de funcionários, todo cuidado é necessário quando se trata de algo tão contagioso quanto o novo coronavírus.

Isso porque, mesmo deliberações que impactam um pequeno número de pessoas, influenciam também todos que se relacionam com aquele grupo de colaboradores, numa reação em cadeia. Assim, o comportamento de cada cidadão tem uma repercussão direta no restante da sociedade. Para superar essa crise, precisamos da colaboração e união de todos. Nesse contexto, nunca uma boa liderança nas organizações se fez tão necessária.

Quais são as medidas de precaução esperadas pelas empresas?

As organizações precisam oferecer condições para que os funcionários trabalhem em segurança. Hoje, a modalidade de trabalho remoto é preferível por ser uma alternativa muito mais segura para todos.

Assim, uma verdadeira transformação digital é exigida de todos os setores que quiserem sobreviver a essa pandemia. As videoconferências, o home office e o e-commerce são ferramentas que, se antes eram benéficas, hoje são imprescindíveis para qualquer negócio. Deve-se investir, para ontem, na melhoria da infraestrutura tecnológica da empresa.

No entanto, algumas empresas não têm condições de trabalhar integralmente em home office. Se esse for o seu caso, existe uma série de recomendações que você deve seguir para garantir a segurança dos trabalhadores e contribuir para a contenção da pandemia.

No Brasil, criou-se a lei nº 13.979/2020 com recomendações relativas à COVID-19, para garantir um retorno seguro ao trabalho.

Nos próximos tópicos, abordaremos com mais detalhes os principais cuidados recomendados às empresas na volta à rotina de trabalho.

Cuidados no ambiente de trabalho presencial

Algumas medidas precisam ser adotadas no ambiente físico da organização para garantir o bem-estar e a segurança de seus frequentadores, tais como:

  • praticar horários de almoço escalonados;
  • disponibilizar um grande número de frascos de álcool em gel;
  • evitar utilizar o ar-condicionado;
  • manter janelas abertas para a circulação de ar;
  • aumentar o rigor e a frequência de limpeza dos ambientes;
  • limitar o número de pessoas no elevador;
  • proibir reuniões com mais de cinco pessoas e dar preferência para videoconferências;
  • disponibilizar, se possível, EPIs (equipamentos de proteção individual) aos funcionários.

Essas são práticas necessárias para auxiliar na contenção do vírus na volta à rotina de trabalho presencial. Porém, existem outras medidas que são recomendadas às empresas e que trataremos nos próximos tópicos.

Monitorar a saúde dos colaboradores

Assim como as precauções com o ambiente físico que será frequentado pelos colaboradores, algumas empresas estão indo além e proporcionando um acompanhamento constante da saúde dos funcionários — realizando testes ou monitorando a sua temperatura, por exemplo.

Essas medidas são interessantes porque ajudam a identificar de forma rápida os colaboradores que estão infectados e agir imediatamente, prevenindo a proliferação da doença.

Uma vez que funcionários apresentem sintomas da COVID-19 (mesmo que não estejam diagnosticados), é preciso dispensá-los imediatamente. Dessa forma, é importante flexibilizar as políticas da empresa referentes a licença médica — e não exigir atestados médicos — para que os funcionários permaneçam em casa e não visitem desnecessariamente os serviços de saúde.

Além disso, neste momento inicial, é altamente recomendado dispensar do trabalho presencial colaboradores que façam parte do grupo de risco, como:

  • gestantes;
  • pessoas com mais de 60 anos;
  • cardíacos;
  • asmáticos
  • imunodeficientes;
  • e pessoas com outros tipos de doenças respiratórias crônicas.

Prover informações para a prevenção

É importante que haja campanhas internas que trabalhem a conscientização e orientação de todos os colaboradores a respeito dos cuidados necessários na pandemia.

Informações sobre a maneira correta de higienização das mãos e EPIs (equipamentos de proteção individual), o que fazer ao espirrar ou tossir, e demais cuidados a serem tomados na organização, devem estar à disposição de todos. Para isso, recomenda-se a distribuição de panfletos, a colocação de cartazes e a utilização de canais de comunicação diretos com os colaboradores.

Cultivar mais empatia e flexibilidade

Estude a possibilidade de criar diferentes turnos para seus colaboradores, um rodízio de funcionários trabalhando remotamente em alguns dias da semana, e até reduzir o volume de horas trabalhadas. Com a aplicação dessas medidas, será possível:

  • diminuir o número de trabalhadores frequentando os mesmos ambientes;
  • aproveitar as vantagens e características do trabalho remoto e do presencial;
  • diminuir as chances de os colaboradores frequentarem transportes públicos em horário de pico.

Além disso, é preciso lembrar que, neste momento de crise, pode ser que alguns de seus colaboradores tenham que se ausentar para cuidar de familiares doentes. É preciso estudar rotinas de trabalho que compreendam esses afastamentos e sejam boas para ambas as partes.

Amparar os funcionários é importante não apenas para garantir a sua produtividade, como também é uma medida solidária. Dessa forma, ao levar em conta a saúde emocional de seus colaboradores, a organização contribui de forma ativa para aliviar este momento de tensão mundial.

Uma outra maneira de amparar os colaboradores neste momento desafiador é flexibilizar também os seus benefícios. Isso porque, neste cenário de pandemia, alguns dos benefícios convencionais não serão bem aproveitados pelas pessoas. Por esse motivo, cabe ao setor de RH encontrar benefícios realmente úteis e atrativos aos funcionários da organização.

Para entender melhor como você pode oferecer benefícios flexíveis aos seus colaboradores e como a Vee pode ajudá-lo nessa tarefa, veja nosso texto sobre o assunto e conheça mais sobre nossos serviços.

Raphael Machioni

Graduado em administração (FGV-EAESP). Cursou Business Adminstration (UC Berkeley, Califórnia). Trabalhou com trading (Itaú BBA), M&A (Olímpia Partners) e Investment Banking (A10 Investimentos). Criou a PICKnGO e a Max Benefícios, que se fundiu com a Vee Benefícios. Fintech onde hoje ocupa o cargo de CEO.

recursos-humanosRecursos Humanos
Imobiliárias Como vender imóveis com e-mail marketing
Marketing Social Selling e o poder do Linkedin para gerar novos negócios