Marketing de conteúdo em mercados pouco convencionais: que desafios esperar durante a implementação?

Conheça os desafios do Marketing de Conteúdo em marcados pouco convencionais

Ao passo que o termo marketing de conteúdo vai ganhando corpo no mercado B2B, muito já se falou sobre o valor para o branding digital, ou potencial para fazer com que o marketing deixe de ser um centro de custo nas empresas e vire uma nova fonte de receita.

Entretanto, pouco se fala sobre os desafios que podem surgir para dar os primeiros passos na implementação de um projeto como esse, seja ele voltado para gerar receita direta/indireta ou para melhorar a reputação de sua marca.

Quem vai se aventurar neste mercado encontra pouco material de referência sobre como dar os primeiros passos, e quase nenhum sobre os desafios que encontrará pelo caminho. Esse post é para ajudar os marinheiros de primeira viagem que apostam em marketing de conteúdo para auxiliar no processo de transformação digital de suas empresas, mas não sabem muito bem por onde começar.

Tenha um sponsor

O maior desafio é encontrar dentro do time uma ou duas referências de peso que possam endossar o valor de seu projeto. Aqueles caras que correspondem aos 20% do time que lideram e apostam na inovação. (Nem que seja um uníssono na companhia, acredite, existe esse alguém). Normalmente, ele tem uma liderança natural e genuína, alta influência sobre as lideranças oficiais e uma profunda capacidade de mover céus e terras para fazer acontecer.

É para este cara que você tem de vender sua ideia primeiro. Para isso, você tem que mostrar fundamentalmente como seu projeto pode ser valioso para que ele obtenha resultado direto.

No jogo corporativo, mostrar para alguém que ele vai ter um benefício imediato ao apoiar uma ideia inovadora é o caminho mais curto para obter um sponsor natural e não depender da estrutura da empresa para fazer acontecer. Este cara vai ser um facilitador, ajudar a abrir portas e até servir como um mentor em todo o processo.  

Não se deixe vencer pelos silos

Muitas estruturas ainda são hierárquicas, antiquadas e funcionam como verdadeiros silos. Quanto mais cedo você aprender a ler o ambiente em que está, identificando esses desafios, mais fácil será montar uma estratégia para driblar essas estruturas e fazer acontecer.

Aprenda a ser como água: flexível e disposto a mudar de rumo. Aprenda com quem tem mais tempo de casa, se colocando como um apoio para vencer desafios que o mercado impõe. Este é o caminho das pedras. Muitas vezes, essas pessoas serão aquelas com quem você irá aprender e passará a admirar ao longo da carreira.  

Tenha a liderança ao seu lado

De nada adianta iniciar um projeto novo se a diretoria da empresa não estiver a seu lado. Se o seu projeto for visto como um risco, uma ameaça ao organismo atual, ou seja, a forma de fazer receita hoje, este é o caminho mais curto para você receber uma resposta do sistema imunológico que fará de tudo para impedir a inovação.

Tenha certeza de que aquilo que você está construindo faz sentido para o negócio, é visto como um benefício e, portanto, será recebido de braços abertos, mesmo que você tenha problemas na implementação. Nessa hora, troque muito e bem de perto com as lideranças. Não tenha medo de ouvir a opinião deles e deixe-os à vontade para participar da construção do projeto.  

Faça benchmarking

Se você não tem experiência, faça benchmarking. O mais importante é pensar em como estruturar uma área capaz de dar conta de múltiplas demandas.

Tenha em mente que conteúdo é a ponte entre dois departamentos muito importantes na companhia: marketing e vendas. Portanto, prepare-se para uma enxurrada de demandas e pense no projeto como um todo. A interface com todos os departamentos da empresa é muito importante e, se não for feita do jeito certo, pode colocar tudo a perder.

Amarre todas as pontas, desde o lançamento da plataforma até a entrega e apresentação dos resultados. Certifique-se de que todos sabem seu papel e a importância de cada um para fazer com que o conteúdo possa decolar.

Nessa hora, ter uma boa base sobre como a concorrência se comporta é um pontapé inicial. Mostrar o valor do seu projeto, deixando claro o que seus concorrentes diretos fazem ou deixam de fazer, amparando ainda esse benchmarking em excelentes referências fora do seu mercado de atuação, pode ajudar a mostrar sua visão estratégica de negócio e o mais longe que seu projeto pode chegar.  

Invista no seu principal ativo: o seu time

Lembre-se que entre a estratégia e a implementação existe algo fatal: o ser humano.

Tenha certeza de ter ao seu lado as melhores pessoas. Os profissionais mais comprometidos. Aqueles que aguentam a pressão e sabem fazer do limão uma limonada. Componha seu time por quem tem paixão pela inovação, A-C-R-E-D-I-T-A no negócio, e que vai aguentar o tranco de implantar algo novo sem desanimar.

A fase de fundação requer muita paciência e força de vontade. Tende a ser uma vidraça da inovação na empresa e, muitas vezes, vai enfrentar desafios quase intransponíveis ao esbarrar em uma cultura resistente à mudança ou a ausência de suporte das lideranças.

Divida a produção (time interno + time externo)

Você não precisa fazer tudo sozinho. Sempre que pensar em inchar um departamento, pense em como você poderia ser mais produtivo delegando a especialistas terceiros aquilo que dentro de casa seria mais um engodo para você gerenciar.

Uma rede de talentos e parceiros multidisciplinares pode te ajudar a tirar o “Boeing” do chão com custos bem menores sem demandar tanto do seu tempo. E, acredite: tempo é o que menos vai sobrar para você neste momento.

Além disso, deixar o especialista trabalhar faz você ganhar em qualidade.

Se possível, justifique todos esses custos com auxílio do departamento financeiro. Mais do que qualquer outro, ele entende os custos embutidos na contratação de pessoas x o risco de demissões em massa de um projeto em fase de prototipação.  

Dê ouvidos, mas não internalize as críticas

Como todo projeto novo, o seu também irá chamar a atenção e, logo, será alvo das críticas dos colegas, estejam eles envolvidos diretamente ou não.

Seja seletivo, tem muita crítica construtiva que merece ser ouvida para fazer você crescer como profissional e ajudar seu time a tirar o projeto do papel.

Contudo, tenha em mente que apesar de ouvir e compartilhar da opinião de seus colegas, nem tudo deve ser levado a ferro e fogo. Do contrário, você pode colocar uma estratégia em risco, ou se deixar levar pelas opiniões alheias que podem mudar de acordo com os interesses de cada um.

Se você tem um foco, um objetivo definido, e sabe claramente o caminho para atingi-lo, não mude de opinião ao sabor do vento.

Seja firme, você vai precisar

Tenha em mente que inovar nunca é um risco que você assume sozinho, mas a experiência e o aprendizado vão te acompanhar por toda sua carreira.

E uma coisa é certa: sobreviverão no mercado profissionais e marcas cuja capacidade de se reinventar seja mais forte do que a resistência e a intolerância à mudança.

Se você ainda não assistiu a série SUITS, do incrível Harvey Specter e da maravilhosa Jessica Pearson (a melhor personagem feminina que já vi numa série de TV), recomendo assistir.

Certamente ela vai te ajudar a fortalecer sua fé e autoconfiança em si mesmo, tão indispensáveis para sua sobrevivência no dia a dia do mercado corporativo estando à frente de um projeto novo, seja ele de marketing de conteúdo ou não.   

 

Head de Produtos Digitais na Informa

Executiva em Marketing Digital com MBA em Gestão Empresarial e Marketing pela BSP. Jornalista, atua com projetos de branded content há mais de 15 anos tendo entre os destaques o Portal Terra. É Head de Produtos Digitais da Informa - multinacional do setor de eventos - onde implementou a área de projetos branded content para o mercado B2B.