Chatbots estão se espalhando como uma febre e se tornando uma ferramenta cada vez mais usual. Não são mais novidade para ninguém.

Assim que acessamos um site, lá está ele, geralmente no canto inferior direito da tela, pronto para responder a alguma pergunta e, muitas vezes, te chamando para um interação.

Por isso, se você ainda não incluiu um chatbot de vendas entre as ferramentas do seu sales stack, está mais do que na hora de providenciar isso.

Mas como funcionam os chatbots de vendas? Quais suas vantagens? O que podem fazer pelas vendas de uma empresa?

Além de reduzir custos e dar mais tempo para os vendedores não virtuais se dedicarem ao seu trabalho, os chatbots são uma rica fonte de informações sobre seus clientes.

É essa capacidade analítica que precisa ser aproveitada ao máximo.

Veja como fazer isso, integrando o trabalho de vendedores reais, chatbots e uma boa análise de dados.

O que um chatbot para vendas pode fazer por seu negócio?

Se você pensou em automatizar vendas, foi bem abrangente em sua respostas.

Sim, os chatbots podem ajudar na otimização de vendas, mas fazem isso de uma forma muito mais elaborada do que muitos acreditam.

Não se trata simplesmente de indicar o link certo de um produto em seu catálogo online sempre que o usuário digitar o nome desse produto. Um chatbot, na verdade, tem a capacidade de interagir de maneira inteligente em diversas outras etapas do seu processo de vendas.

Para começar, um chatbot para vendas nunca será mal-educado com um cliente impaciente que digita perguntas agressivas ou irônicas.

Aliás, existem até chatbots de vendas (ou assistentes inteligentes de vendas) capazes de interagir por voz com os clientes de forma muito convincente, usando linguagem natural e, em muitos casos, a pessoa do outro lado da linha nem percebe que está falando com um assistente virtual automatizado.

E as vantagens não param por aí. No caso do Assistente de Voz do Google, por exemplo, é o consumidor quem toma a iniciativa de fazer as compras. 

E o Walmart percebeu todo potencial desse novo canal de vendas e tratou de fazer uma parceria com o Google. Assim, o assistente pessoal dá informações de preços e também  sugestões de outros produtos , fazendo o trabalho de cross selling e upselling por você.

Veja como isso funciona neste vídeo:

Mas um chatbot pode fazer muito mais por seu processo de vendas. Dê uma olhada em uma série de funções que ele pode desempenhar para ajudar você e sua empresa a vender cada vez mais.

1. Fazer a triagem inicial dos contatos via chat

Um chatbot de vendas é a primeira linha de contato com sua empresa. Assim, uma função básica dessa ferramenta é fazer uma primeira triagem desses contatos. 

Ele pode coletar algumas informações sobre o lead, como nome, o que ele procura, ramo de atividade (no caso de empresas) e outras, para que, ao transferir o atendimento para um chat ao vivo, o atendente já tenha todas essas informações.

Assim, além de ganhar tempo, esse atendente já entra na conversa com um contexto bem claro. E, dessa forma, pode elaborar melhor sua abordagem de vendas, aumentando sua taxa de conversão.

2. Gerar leads e qualificá-los

Como gerar leads com chatbots?

É bem mais fácil do que você imagina. Você já reparou que, muitas vezes, assim que começa a digitar algo em um chatbot, ele pede seu e-mail “para iniciar a conversa”?

Pronto! mais um lead criado para o seu negócio…

E se seu chatbot de vendas for bem programado, ele pode até qualificar esse lead, tanto analisando o que ele diz, como fazendo as perguntas certas para coletar ainda mais dados.

Na verdade, é possível até oferecer materiais ricos por meio de formulários dentro do chat.

Uma ferramenta que tem sido muito usada para isso é o ManyChat. Trata-se de um chatbot para ser usado no Facebook Messenger e que conta com uma excelente versão gratuita, capaz de atender clientes, oferecer produtos e serviços, além de diversas outras funcionalidades.

Dê uma olhada nesse vídeo que apresenta a ferramenta:

3. Aumentar engajamento

Uma conversa com um chatbot não precisa ser robótica. Veja o case que apresentamos das compras feitas com o assistente do Google no Walmart.

Um chatbot pode dar sugestões de posts para serem lidos em seu blog, por exemplo, ou de vídeos em seu canal no YouTube. Tudo vai depender da habilidade de programação de sua equipe e do grau de Inteligência Artificial que a ferramenta usada pode proporcionar.

Assim, ao entrar em seu site para perguntar, por exemplo, o horário de funcionamento de uma loja física, um visitante pode acabar fazendo comentários em um post e até baixando um e-book.

4. Proporcionar atendimento 24/7

Vendedores qualificados são profissionais valiosos, assim como bons atendentes de telemarketing ou chats. Por isso, é muito caro manter esses colaboradores trabalhando aos finais de semana e em horário noturno.

Nesse contexto, você pode adotar um esquema de SAC 4.0, contando tanto com chats ao vivo nos horários comerciais quanto com chatbots que podem prestar algum auxílio aos clientes nos demais horários.

É importante apenas que fique claro para o cliente, nesse caso, que o atendimento é automatizado. Porque, para algumas perguntas mais complexas, o chatbot terá que solicitar que o visitante volte a entrar em contato em outro horário.

5. Direcionar visitantes para o autoatendimento

Um chatbot que consiga segmentar contatos, depois da triagem inicial, pode direcionar os visitantes que fazem perguntas simples para as páginas mais relevantes de seu site ou e-commerce. 

Esse procedimento alivia a carga de trabalho dos atendentes, evitando que percam tempo com essas atividades meramente informativas e possam se dedicar às vendas. 

6. Direcionar visitantes os atendentes mais adequados

No caso de perguntas um pouco mais complexas, o chatbot pode direcionar os visitantes não para páginas específicas do site, mas para atendentes especializados.

Assim, pode passar para o suporte técnico, cobrança, dúvidas em operações, cancelamentos etc.

Além disso, no caso de vendas, pode direcionar os visitantes para vendedores especializados nos produtos ou serviços que procuram, aumentando as chances de conversão.

7. Personalizar a oferta certa para segmentos de clientes

Não se trata apenas de indicar o link para a página de compra certa de seu e-commerce se o cliente perguntar sobre um produto específico.

Um chatbot bem programado pode fazer o caminho inverso e enviar o link certo para o cliente certo.

Como ele faz isso? Analisando perfis de clientes e personalizando as ofertas que indica para eles. Assim que identifica que a pessoa do outro lado do chat faz parte de um desses grupos segmentados, imediatamente faz as sugestões de compras mais eficientes.

8. Aprender quais são as melhores respostas para cada pergunta dos clientes

Alguns chatbots contam com a capacidade de usar o chamado aprendizado de máquina. Trata-se da habilidade de analisar as consequências de suas respostas ou informações enviadas e descobrir quais trazem mais sucesso e quais devem ser evitadas.

Assim, o chatbot não apenas melhora continuamente o seu próprio nível de atendimento, mas também define regras para as respostas que podem ser usadas por atendentes e vendedores reais. 

Essas informações podem gerar uma base de conhecimentos que deve ficar disponível online para os atendente consultarem quando quiserem e, assim, trabalharem melhor e com maiores taxas de sucesso.

9. Gerar insights de abordagens de vendas

Outro ponto a se destacar é que uma análise bem feita dessas respostas e informações que mais agradam aos visitantes pode gerar insights valiosos para a equipe de marketing e vendas.

Com isso é possível perceber onde os clientes enxergam valor nas soluções que a empresa oferece ao mercado, detectando que informação o chatbot passou ao visitante que o levou a clicar no botão de comprar, por exemplo.

10. Auxiliar na criação de scripts de vendas

Por fim, se um chatbot consegue determinar quais sãos as melhores respostas para cada tipo de pergunta, podemos usar os insights gerados para pensar em scripts de vendas usados  pelos vendedores não virtuais.

Com uma boa análise de dados e trabalho duro é possível tirar muito proveito da capacidade analítica de um chatbot.

Basta combinar essa capacidade com um pouco da criatividade humana e encontrar as respostas certas para as perguntas certas.

Afinal, esse sempre foi o grande segredos das vendas: mostrar para seu cliente o valor da solução que a sua empresa oferece para eles.

E se um chatbot consegue de forma matemática e anlítica encontrar algumas pistas de como fazer isso, por que não aliar essa capacidade com nosso talento e criar táticas de vendas cada vez mais efetivas?

Por isso, pense fora da caixa e encare os chatbots muito além de “respondedores automáticos de dúvidas”, mas como uma rica fonte de dados e insights.

Júlio Paulillo

Co-founder & CMO na Agendor Júlio gosta de viver simples. Toca gaita pela manhã para começar bem o dia. Empreendedor desde cedo e apaixonado por negócios, tecnologia e vendas. Atualmente aplica seu background tecnológico nas áreas de marketing e vendas do Agendor, e acredita que todas as pessoas são vendedoras de alguma forma.

vendasVendas
Recursos Humanos Como convencer seu gestor a investir em softwares de RH
Jurídico Saiba como abrir o seu escritório digital
ABOUT THE SPONSORS
Agendor

O Agendor foi criado para permitir que vendedores externos possam colaborar de forma mais produtiva com a equipe interna, garantindo mais visibilidade e controle ao gestor comercial e mais autonomia aos vendedores.