Dados de pesquisa: o futuro do trabalho é remoto?

Os números não mentem: o futuro do trabalho é remoto

No final de 2017, o Portal TD, em parceria com Rock Content, Trello e Opinion Box, divulgou uma pesquisa chamada “O futuro do trabalho”, explicando como a transformação digital tem impactado a vida das empresas e dos profissionais no Brasil – e mostrando o que vem pela frente.

Como nômade digital e entusiasta do trabalho remoto, fiquei feliz com as perspectivas futuras apresentadas no estudo.

A pesquisa mostrou que, ao que tudo indica, o futuro do trabalho é remoto. Pensando nos próximos 12 meses, 34,3% dos profissionais pretendem incentivar mais esse modelo de trabalho em suas organizações, sendo que as empresas menores, de 2 a 5 funcionários, são as que mais querem incentivar (39,2%).

Trabalho remoto: as empresas começam a olhar para este modelo de trabalho

Essa tendência, que é mundial, está acontecendo graças aos millenials – sim, agradeça-os. Hoje na casa dos trinta e poucos anos, a chamada “Geração Y” está chegando aos cargos de liderança, contribuindo para as novas definições de trabalho.

São diversos os motivos para que estes profissionais estejam abandonando a estrutura tradicional de trabalho – aquilo de chegar na empresa às 08h ou 09h da manhã, bater cartão, fazer um intervalo de almoço e sair às 18h ou às 19h.

O fato é que, cada vez mais preocupados com o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, os millenials estão aproveitando a transformação digital para trabalhar de qualquer lugar que tenha uma conexão com a internet – sem a necessidade da presença física num escritório. E os benefícios dessa prática são vários.

Benefícios do trabalho remoto

Quem é a favor do trabalho remoto aponta diversos benefícios, desde redução de custos até sustentabilidade – já que diminui o número de carros na rua.

Quem vê o trabalho remoto com ressalvas, acredita que pode haver redução na produtividade e na comunicação entre os profissionais. Será?

A pesquisa mostra que, de forma geral, os profissionais avaliam positivamente o trabalho remoto. 56,2% acham que aumenta a produtividade, 58,6% acreditam que diminui o custo do profissional para a empresa e 61,5% entendem que aumenta a qualidade de vida do funcionário.

O trabalho remoto se torna um grande aliado das empresas, mostrando que seu futuro é promissor

No último ano, além do home office, trabalhei remotamente do México, Coreia do Sul, Tailândia e Argentina. Em conversas com nômades digitais do mundo inteiro, percebi que, quando perguntados sobre o porquê da escolha por esse estilo de vida e de trabalho, o consenso geral é sobre uma busca de liberdade e flexibilidade – em tempo: essa também é a minha resposta para a questão.

Porém, essa flexibilidade não quer dizer que o trabalho remoto precisa ser, necessariamente, 100% remoto. Quem não é dono do seu próprio negócio digital pode tentar negociar uma jornada de trabalho mais flexível, trabalhando alguns dias da semana no escritório e outros de forma remota.

O erro quando falamos em trabalho remoto é pensar em “8 ou 80”. Enquanto algumas tarefas e funções podem ser executadas remotamente, outras precisam da participação dos funcionários no escritório. Nesses casos, o importante é encontrar um meio-termo. Uma agenda flexível faz com que os profissionais fiquem mais motivados – e sabemos que um colaborador motivado produz mais.

Para quem quer trabalhar remotamente, mas não tem um negócio digital ou sua empresa não oferece horários flexíveis, a dica é tentar uma carreira como freelancer. O LinkedIn, por exemplo, é um ótimo lugar para você conseguir os chamados “freelas”.

O que vem por aí

Através da pesquisa fica fácil perceber que o futuro do trabalho será cada vez mais remoto. Mas, isso quer dizer que os escritórios e sedes de empresa vão acabar?

Não!

Isso quer dizer que o trabalho ganhou um novo sentido.

Dos entrevistados pelo Portal TD, 55,0% dos profissionais disseram que suas empresas já adotam ferramentas digitais para realizar reuniões e conferências a distância, e 24,3% disseram que pretendem começar a utilizar nos próximos 12 meses.

Esses dados mostram que as empresas estão se organizando – e vão se organizar cada vez mais – para trabalhar de forma mais inteligente, evitando deslocamentos desnecessários e utilizando tecnologias e ferramentas para que as pessoas possam trabalhar onde, quando e como for melhor para elas e para a empresa.

Continue aprendendo

 

 

Empreendedor digital | be freela

Nômade digital que escreve e empreende. Considerado pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Trabalha de forma remota ao redor do mundo contando histórias e produzindo conteúdos.