Governança de TI: o que é e por que é urgente

Entenda o que é Governança de TI e por que ela é tão importante na Transformação Digital

A transformação digital e as novas tecnologias trouxeram uma infinidade de ferramentas e soluções, o que não apenas contribuiu para uma melhor gestão mas que também exige uma governança de TI.

Isso porque a infraestrutura tecnológica das empresas está se tornando cada vez mais complexa e, com isso, manter um controle satisfatório de todos os ativos presentes na TI de uma organização demanda um controle eficaz.

Caso você ainda não saiba o que é e como funciona a governança de TI, não se preocupe, pois aqui vou explicar com calma o assunto, além de sua importância e relação direta com a compliance. Vamos começar?

O que é governança de TI

Quando as empresas começaram a utilizar tecnologia para auxiliar na gestão ou até mesmo em tarefas operacionais de seu dia a dia, as soluções eram simples e não havia muita diversidade de softwares e hardwares, tratava-se de uma ambiente tecnológico limitado.

Contudo, essa realidade já não existe mais. Caso você visite duas empresas diferentes que atuem no mesmo ramo, a chance de cada uma utilizar soluções e ferramentas diferentes é enorme.

Com isso, tornou-se necessário uma forma de gestão que não apenas auxilie o controle de todo o ambiente tecnológico de uma empresa mas também permita que todas as ferramentas utilizadas possam ser alinhadas com os objetivos estratégicos da organização.

Dessa forma, surgiu a governança de TI, uma metodologia de gestão de tecnologia criada com o intuito de planejar e aplicar estratégias, utilizando-se das ferramentas tecnológicas, para gerar competitividade para as empresas.

A governança de TI permite a criação de serviços confiáveis e disponíveis, capazes de auxiliar sua empresa a alcançar a excelência no negócio e conquistar mais clientes, garantindo a competitividade.

Podemos concluir então que a governança de TI é uma extensão da governança corporativa aplicada às soluções tecnológicas que visa dar o mesmo direcionamento estratégico da empresa para a tecnologia utilizada por ela.

Como funciona a governança de TI

O funcionamento da governança de TI vai depender exclusivamente do framework escolhido para realizar o trabalho. É claro que você pode optar por realizar a gestão de sua TI sem o apoio de um modelo como esse, mas isso poderia prejudicar seu gerenciamento.

Os frameworks são modelos de gestão prontos, que demandam apenas uma pequena customização para o seu negócio e são formados por técnicas e metodologias de gestão consagradas. Dentro os principais e mais utilizados temo.

ITIL (Information Technology Infrastructure Library)

O ITIL é um framework muito mais voltado para os serviços de TI do que para a governança interna dos ativos, por conta disso, é comum dizer que seu foco é o cliente e o gestor. Seu conjunto de práticas e políticas é implementado por meio de bibliotecas que compõe cada um de seu módulos de gerenciamento.

Cobit (Control Objectives for Information and related Technology)

Um dos modelos de trabalho mais utilizados quando falamos em governança de TI é o Cobit. Isso porque ele atende a todas as necessidade de um gestor e é composto por controles de objetivos, indicadores de metas, mapas de auditoria e guia de técnicas de gestão. Ou seja, é uma framework completo e um dos mais recomendados por especialistas. Atualmente está em sua versão 5.0.

PmBOK (Project Management Body of Knowledge)

O foco principal do PmBOK é a gestão de projetos, sendo possível utilizar todas as suas definições e conjuntos de processos e ações de gestão para a governança de TI de uma empresa. O PmBOK é um livro, que separa toda a informação em capítulos, o que facilita seu uso e compreensão.

Como aplicar a Governança de TI

Alguns pontos são comuns independentemente do framework de governança que você escolher ou mesmo se preferir criar suas próprias metodologias para a gestão de seus ativos de TI. Listei aqui alguns passos importantes neste processo:

Definir indicadores

Os chamados KPIs, indicadores chave, são fundamentais para o controle de metas e objetivos. Lembre-se de que algo que não pode ser medido, não poderá ser melhorado.

Para entender todos os seus processos e sua atual eficiência é preciso realizar uma medição real de alguns pontos em suas ferramentas, softwares e equipamentos.

Para isso você deve identificar quais são os seus objetivos e qual a meta para cada um dos ativos, dessa forma, você poderá definir o que deve se tornar um KPI e o que não tem tanta relevância.

Treine sua equipe

Em um primeiro momento é comum que sua equipe não se sinta confortável com a governança de TI, afinal, tudo o que nos tira da zona de conforto pode trazer instabilidade.

Para que isso não aconteça é preciso investir no treinamento da equipe. Não tenha medo ou vergonha de buscar uma consultoria que possa estar presente dentro da empresa e auxiliar a passar para o time a importância da governança se sentir a necessidade disso.

Capacitar o seu time para identificar todos os KPIs e realizar um controle de qualidade também é fundamental para que a implantação da governança de TI funcione.

Busque por feedbacks

Ouvir o que os colaboradores, clientes e outros parceiros de negócios tem a falar é essencial para melhorar seus processos e descobrir se as atitudes tomadas estão refletindo de forma positiva ou não.

Sua equipe é a melhor fonte de informações acerca de sua falha ou sucesso na gestão estratégica de seus ativos de TI, fornecendo dados sobre o que deu certo e o que precisa ainda de ajustes.

Caso ninguém se prontifique a falar, pode ser sinal de que os colaboradores demandam por mais espaço ou não estão se sentindo a vontade, o que pode ser prejudicial para a governança. Pode-se então buscar por formas anônimas de coleta de informações como caixa de sugestões.

Inclua políticas de segurança

Outro ponto de grande importância quando falamos sobre governança de TI é a implantação de políticas de segurança eficazes para evitar vazamentos ou perda de informações, além de proteger a privacidade de coladores.

As ferramentas de TI de uma empresa podem constituir porta de entrada para o ataque de hackers e cibercriminosos, que se utilizam de brechas e má gestão para roubar dados e danificar sistemas

Por conta disso, adotar políticas sólidas de segurança é essencial para garantir a continuidade do negócio e evitar qualquer tipo de prejuízo que possa advir de uma situação de invasão.

Qual sua importância na era da Transformação Digital

Na era da transformação digital as empresas contam com ambientes de TI complexos formados por diversos equipamentos, dispositivos móveis, softwares locais e e nuvem, servidores remotos e outras soluções, tudo isso trabalhando em conjunto.

A governança de TI se faz essencial não apenas para auxiliar o time de tecnologia e o gestor a garantir o funcionamento de todas essas ferramentas de forma integrada, mas também para extrair o máximo de cada uma dessas tecnologias, garantindo assim uma maior competitividade no mercado.

Qual a relação entre Compliance e a Governança de TI

compliance é a adequação da a determinadas normas. O conjunto de regras a ser seguido depende quase que exclusivamente do setor em que uma empresa atua, mas independentemente do nicho de atuação da organização, qualquer negócio hoje tem de se adequar a diversas regras, sejam as impostas pelo governo, exigidas pela categoria ou até mesmo por clientes, as normas garantem o funcionamento e o controle de qualidade, além de outros pontos.

A governança de TI pode ser um ponto estratégico para auxiliar o gestor a adequar a empresa a qualquer tipo de norma de controle e atingir a máxima compliance para sua empresa.

Espero que você não apenas tenha compreendido o que é a governança de TI, mas também a sua importância na era digital, onde tudo é baseado em tecnologias e troca de dados entre os setores.

Agora, só falta aplicar na prática em sua empresa!

CEO na Introduce

Formado em Redes de Computadores, com especializações em Gestão de Pessoas, Coaching e MBA em Marketing. É co-founder da introduceti.com.br, que conduz o crescimento dos negócios através de estratégias e tecnologias. Além disso é investidor no projeto Globin.it, Middas e Grupo 3Minds.