De acordo com informações da Bit Magazine, a Ericsson prevê que a rede 5G entre em operação no Brasil até o início de 2021. Para testar a tecnologia, a fabricante afirmou estar trabalhando em parceria com operadoras de telecomunicações e a Anatel.

Segundo Eduardo Ricotta, presidente da Ericsson na América Latina, a implementação da tecnologia dependerá das operadoras, mas a popularização da conexão de quinta geração deve levar alguns meses, já que será necessária a adaptação da infraestrutura para o seu funcionamento. “A limpeza de espectro é necessária porque algumas das frequências alocadas para o 5G podem ter interferência com satélites”, explicou o executivo. “Estamos fazendo testes ainda e mostrando para a Anatel o que precisa ser feito, então o 5G deve entrar em operação mais para o fim de 2020 ou começo de 2021”, completou.

Em maio deste ano, a Anatel anunciou que as frequências 2.3 GHz e 3.5 GHz serão destinadas ao 5G. Além disso, outras bandas, incluindo a 26 GHz e 700 MHz poderão ser adicionadas ao leilão. Sobre o assunto, Ricotta afirma que o processo de licitação também pode interferir na agilidade da incorporação da rede no Brasil por conta dos investimentos necessários. “O bolso das operadoras é um só… Se elas gastarem muito no espectro não vão poder investir tanto na cobertura do 5G, o que atrasaria a adoção da tecnologia e a arrecadação de bilhões de dólares em impostos que seriam coletados com a venda de novos aparelhos e dispositivos”.

A companhia sueca está concorrendo com a finlandesa Nokia Oyj e com a chinesa Huawei para a chegada da tecnologia 5G globalmente. Anualmente, a empresa investe cerca de 20 por cento de sua receita em redes móveis.

tecnologiaTecnologia
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Futuro do Trabalho Recursos Humanos Transformação Digital Conheça as profissões do futuro no Brasil
Educação Jurídico Eu Na Facul: Evento online mostra oportunidades de carreira para quem deseja entrar na universidade
Educação Futuro do Trabalho Crianças americanas preferem ser YouTubers do que astronautas
[contact-form-7 id="21113" title="ebook"]